Resenha: Beta - Annex #1

07/04/2014


Em um mundo construído com perfeição absoluta, a imperfeição é difícil de entender e impossível de esconder. Elysia é um clone, criada em laboratório, nascida como uma garota de dezesseis anos, um vaso vazio, sem experiência de vida para se basear. Ela é uma Beta, um modelo experimental de clone adolescente. Ela foi replicada a partir de outra adolescente, que morreu para Elysia ser criada. O propósito de Elysia é servir os habitantes de Demesne, uma ilha paradisíaca para as pessoas mais ricas do planeta.

Tudo em Demesne é uma perfeição em bioengenharia. Até o ar induz à uma estranha euforia que somente os trabalhadores da ilha—clones sem alma como Elysia—são imunes a ele. Inicialmente, a nova vida de Elysia nessa ilha é idílica e mimada. Mas logo percebe que os humanos de Demesne, as mais privilegiadas pessoas do mundo, anseiam. E percebe que debaixo do exterior impecável, há uma corrente de descontentamento entre os clones. Ela sabe que não tem alma e não consegue sentir e se importar—então por que tudo as sensações estão turvando a mente de Elysia?

Se alguém descobrir que Elysia não é o clone insensível que finge ser, ela sofrerá um terrível destino, doloroso demais para se imaginar. Quando a única chance de felicidade de Elysia é arrancada dela com uma crueldade de tirar o fôlego, as emoções que sempre teve, mas nunca entendeu, são desencadeadas. Quando a raiva, o terror, e o desejo, ameaçam dominá-la, Elysia deve encontrar a vontade de sobreviver.

Imagem uma ilha criada pelas pessoas mais ricas depois que o mundo como conhecemos hoje se modificou. Depois imaginem que essa ilha foi fabricada para que essas pessoas vivam em plena tranquilidade e luxo. Essa é a ilha Demesne, o local perfeito para se viver e lugar também onde nenhum humano trabalha, pois clones são feitos para isso: servi-los. Elysia emergiu nessa ilha e foi comprada em uma loja para acompanhar uma família humana, só que acompanhar é um jeito mais bonito de dizer: fazer tudo o que eles querem. Enquanto começa a vivenciar novas experiências no meio das pessoas, Elysia percebe que é diferente, pois começa a sentir, fato que nenhum clone consegue fazer e além disso, ela consegue ter memórias de sua Matriz, a homana que lhe deu origem.

A Elysia é quem narra o livro e no começo ela vai parecer muito inocente, mas imaginem que ela nasceu com 16 anos e está tendo as suas primeiras experiências agora. Quem ler também vai perceber a evolução dela de um clone submisso a uma jovem que decide ser mais do que mandada por humanos. Ela me surpreendeu com algumas atitudes e me deixou triste em outros momentos. É uma personagem que da metade para o fim oscila de temperamento. Outros dois personagens são importantes na trama, mas não comentarei deles abertamente para não estragar a surpresa de quem ler, mas ressalto que existe o princípio de um triangulo amoroso e um deles chama a atenção por não ter esse padrão meio príncipe encantado, ele tem descendência árabe.

Eu estava curiosa para ler este livro desde quando li a sinopse, porque senti uma vibe nele diferente do que tinha lido até agora, como de fato aconteceu. Sou totalmente leiga quando se trata de clones e Beta se classifica na categoria de livro mais viagem, e não num sentido ruim, que tive a oportunidade de ler. Porém, adianto, não é um livro que todos vão gostar, pois o começo arrastado pode ser interpretado erroneamente. Para mim o começo monótono do livro é para retratar a vida perfeita e sem muito sentido na ilha Demesne. O conceito dessa ilha é de tranquilidade e perfeição, então a vida dos adolescentes, é assim, no marasmo total e a autora soube retratar isso bem. Não é que eu queira justificar uma narrativa arrastada com algo mais elaborado, mas realmente senti isso e combina com o ambiente da ilha.

Somos seres inferiores. Ainda assim, nossos sentimentos deveriam importar.

Se o começo é assim, mais devagar, quando a Elysia começa a descobrir do que é capaz o livro vira completamente. Temos várias descobertas, ação, romance, assassinato, intriga e questões envolvendo o governo desse mundo que a autora criou. Mais para o fim do livro acontecem três fatos que me deixaram de queixo caído, não esperava mesmo que as coisas fossem para esse rumo e a continuação vai ter muito o que explicar. Quem leu A Hospedeira vai sentir uma identificação com Beta, foi a primeira coisa que notei assim que comecei a ler, alguns podem notar isso até lendo a sinopse. É parecido sim, mas até certo ponto. Existe um corpo, sensações conhecidas e memórias que não deveriam estar lá e temos os garotos. Como essa ideia básica se desenvolve é diferente e novo para mim como disse.

Lendo o livro o que ficou na minha cabeça o tempo foi como seria se essa situação proposta no livro fosse verdadeira. A sensação de não ter quem te defenda ou apoie é muito forte no livro. Os clones são vistos como objetos e com a única função de servir aos humanos dessa ilha, e é servir em qualquer atividade mesmo. Acaba que eles são mal tratados, considerados como seres que não tem alma e nem sofrem, e aqui a autora mexe com nossos sentimentos. Se eles são réplicas, possuem órgãos e algumas capacidades funcionais, então são mesmo insensíveis a dor? É certo você se utilizar desse argumento, de não ter alma, para machucá-los? Isso é apenas o começo de vários questionamentos que eu tive ao longo da leitura, porque a primeira pessoa do livro te aproxima do clone e gente, não dá para não se solidarizar com a Elysia ou não querer que ela tenha um final feliz.

Beta é um livro cheio de informação, mas que também fecha uma parte da estória, mesmo que deixe em aberto uma situação no fim que exige o segundo para logo. Gostei de saber nesse primeiro livro o que é essa ilha perfeita, por que ela existe, como os clones são feitos e a sua finalidade, e no caso da Elysia a gente descobre mais coisas. Ela é diferente, mas como? Isso é explicado além de ter indícios de onde a autora vai partir para os próximos. No GoodReads a série possui até agora 4 livros e eu pretendo ler todos eles. Sim, foi uma leitura prazerosa que me fez sentir estranheza, refletir e me imaginar num mundo onde clones existem, mas para fins errados, se é que a clonagem humana quando chegar nesse nível será para um fim positivo. Debates à parte, a leitura está recomendada, mas lembrem-se, leiam até o fim. Não deixem que o começo parado impeça você de chegar a melhor parte.

Sou uma boa menina, não um clone terrível. Mas tenho peculiaridades. Memórias. Paladar.

Beta - Annex - Livro 01
Rachel Cohn
Editora iD: Twitter/Facebook

7 comentários:

  1. Eu já tinha ouvido falar desse livro, mas nunca tinha chamado minha atenção. Agora fiquei bastante curiosa para ler ele.

    ResponderExcluir
  2. Adorei a ideia do livro, Denise.
    Essa coisa de clones, criação em laboratórios, parece fantástica. Sou apaixonada por avanços na ciência.
    Adorei seu blog, visite o nosso, será uma satisfação. Se gostar e tiver interesse em seguir, só nos avisar que iremos retribuir com muito carinho.
    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

    ResponderExcluir
  3. Legal um livro que fala sobre clone, nunca li nada com esse tema, me chamou a atenção pela historia ser diferente.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não conhecia o livro e apesar da trama parecer instigante, não fiquei com muita vontade de lê-lo, pelo menos não no momento.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá Denise,

    esse é mais um livro que fico conhecendo aqui no seu blog, não gostei da capa mas achei a sinopse interessante, sua resenha me deixou curioso....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Para tudo, eu quero esse livro. Me lembrou muito o filme A ilha que assisti tem um bom tempo já. Amei a sua resenha e já coloquei na lista dos desejados.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Nossa adorei a premissa do livro! Também nunca li um livro voltado para esse estilo e fiquei com a curiosidade a mil. Espero que tenha a oportunidade de lê-lo. Confesso que atualmente o que mais me desmotiva é o fato dele ser uma série.
    Beijos,K.
    Girl Spoiled
    http://girlspoiled.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.