Resenha: Sem Raízes - Rootless #1

10/03/2014



É possível viver em um mundo sem árvores? E sem tudo o que elas oferecem? Frutas, flores, oxigênio, sombra, papel, madeira... vida, afinal. Banyan é um jovem que precisa encarar essa realidade fria, pois nunca conheceu uma árvore de verdade. Todas desapareceram da Terra. Vagando sozinho por estradas empoeiradas, desde que seu pai sumiu, ele tenta resgatar um pouco do que o mundo foi um dia, construindo árvores feitas de metal, sucatas e pneus velhos. 

Quando é contratado para fazer o jardim da casa de um homem muito rico chamado Frost, ele conhece Zee, a enteada do patrão, que lhe mostra uma fotografia que muda seu destino: nela, seu pai, que ele considerava morto, aparece amarrado a uma árvore real. A partir daí, Banyan parte em busca desse pai e desse mundo com árvores. No caminho, encontra piratas, agentes da GenTech, poderosa corporação que controla as indústrias de alimento e combustível, e gafanhotos assassinos. 

Leia o primeiro capítulo: ow.ly/nhQ4K 

Em um mundo onde as árvores não existem mais, Banyan e seu pai ganham a vida construindo elas a partir de sucata. Só que seu pai foi sequestrado a um ano e agora é Banyan quem faz todo o serviço sozinho. Quando ele descobre uma foto do que poderia ser uma pista para encontrar o seu velho, ele larga tudo e sai numa busca por um lugar onde existiria aquilo que ele constrói, só que de verdade. Ele enfrentará gafanhotos carnívoros, piratas, gatunos e o que for preciso para achar o seu pai. O que Banyan não esperava era passar de um garoto sozinho procurando seu pai, a ter uma família enquanto ele fazia essa busca, com direito ao primeiro amor.

Eu quis ler esse livro desde quando vi a capa dele, quando li a sinopse achei perfeito e parei pra pensar no fato de eu nunca ter lido nada com essa ideia. As distopias estão fazendo sucesso, eu acredito, por causa da proximidade com a realidade. Não estou querende dar uma de mãe Diná, mas a gente sabe que o planeta está passando por situações, que muito provavelmente, nos levarão a um caminho complicado. O que esses autores fazem, é antecipar, de acordo com o que eles imaginam, o que vai acontecer depois de a Terra entrar em colapso. No caso de Sem Raízes, as árvores não existem mais e quando a gente pensa nisso, lembra apenas que vai faltar papel, madeira e coisas mais palpáveis, mas esquecemos de algo crucial, sem árvores não tem comida e um ar bom para respirar.

O livro vai levantar exatamente essas questões e nesse mundo onde não exitem árvores, um jovem constrói elas, mas de um jeito diferente, com sucatas. O autor descreve, através do Banyan, como essas árvores são construídas e porquê. Pensem vocês um lugar sem nada, só com as casas e edifícios, essas florestas de sucatas são o mais perto de uma planta que eles podem chegar. É o Banyan quem narra o livro e sendo o autor um homem, ele tem uma narrativa desse gênero. Outros personagens fazem parte do livro e tem igual importância no enredo como a Alfa, Zee, Crow, Sal, entre outros. Um desses personagens vai ser o par romântico do Banyan e outro, por uma boa parte do livro, vai ser motivo de desconfiança.

Eu me senti nu diante daquele olhar selvagem. E me senti vivo. Desconhecido. Naquele exato momento, soube que o mundo continha coisas que eu jamais conseguiria compreender.

Daí vocês leram até aqui e imaginam que eu adorei o livro e que ele é ótimo, e eu digo para vocês que não, não é. Essa ideia sensacional que o autor tinha, onde ele poderia fazer com que a gente ou visualizasse um mundo melhor ou pior, viajou completamente na maionese. É sério!! Logo nas primeiras páginas eu pensei 'não acredito que o autor vai pegar uma ideia tão legal quanto essa e transformar num livro que eu não consigo nem visualizar de tão viagem que é', mas foi isso que aconteceu. Quando no meio da narrativa eu li que existiam gafanhotos carnívoros o autor me perdeu e o que veio depois foi só para deixar a coisa toda estranha. E não estranha de um jeito bacana, mas de um jeito 'não acredito que estou lendo isso'.

A narrativa alterna entre partes boas e partes nada a ver. Uma das partes boas é essa construção das florestas e o que eles comem. Como não ter árvores uma empresa, que seria o governo que cuida de tudo, desenvolveu uma pipoca com sabor de tudo, desde café da manhã até macarrão com queijo e é só isso que eles tem para comer, porque é só milho que nasce nessa terra. Daí o autor colocou uma questão importante, se é só milho que se tem para comer, o que fazer com quem tem alergia a ele? Isso é tratado na figura da irmã da personagem Alfa. As partes nada a ver é essa mistura de gafanhotos carnívoros, piratas, gatunos, um mar que faz ciclones o tempo todo e uma descoberta na parte final que me deixou sem acreditar no que estava lendo.

Eu não consegui me dar bem com esse livro e só li, porque queria saber se o Banyan chegaria a Terra Prometida e resgataria o seu pai, que é o objetivo dele nessa primeira estória. Não sei quantos livros tem essa série e não vou continuar acompanhando. Fiquei muito decepcionada com o rumo que o livro teve e estou com medo do que pode sair da cabeça do autor nos próximos. Sem Raízes tem o seu final e não sei de onde o autor partirá depois. Muitas pessoas se identificam com livros assim, onde a imaginação flui e não importa se ele tem algo que o ligue a realidade, mas eu não sou. Leio livros de fantasia e coisa do tipo, sempre fazendo uma ponte com a minha vida ou o que acontece no mundo, então quando um livro sai muito disso, fica difícil para mim assimilar ele. E foi isso que aconteceu com esse.

E se existisse mesmo a Terra Prometida? Essa ideia tomou conta de mim.

Sem Raízes - Rootless - Livro 01
Chris Howard
Editora iD - Twitter/Facebook

5 comentários:

  1. Puxa!! Que pena!! Também tive a impressão de ser um livro incrível quando li a sinopse.
    Acho que o autor se perdeu numa ótima ideia e não soube como contar né?
    Enfim, adoro suas resenhas sinceras.

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parece um livro interessante. beijos
    http://www.vicioempaginas.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adorei a sua resenha! É uma pena você não ter gostado do livro, mas, ainda assim, fiquei bem curiosa com a história.

    Beijos
    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Denise,


    Esse é mais um livro que fico conhecendo aqui no seu blog, a sinopse me chamou atenção e a capa também, mas sua resenha m desanimou, mas ainda assim estou curioso....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá Denise!
    Acho que não me interessaria muito pelo livro também... Não faz muito meu estilo.
    Mas adorei a sua resenha :)
    Beijos,
    Ana M.
    http://addictiononbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.