Resenha: A caminho do Verão

10/02/2014



Auden resolve passar as férias de verão em Colby, uma minúscula cidade do litoral, com o pai, sua nova esposa e Thisbe, a filha do casal e sua mais nova irmãzinha. Lá, ela revê seus conceitos em relação à madrasta, encara um emprego de férias em uma boutique totalmente demais e conhece Eli, um garoto misterioso com o qual embarca em uma busca: experimentar uma adolescência sem preocupações que lhe foi negada enquanto ele procura se recuperar de um acontecimento trágico. Junte dois solitários, uma bicicleta, um estoque infindável de madrugadas com insônia, tortas e café e… tudo pode acontecer. 

Auden é uma menina diferente das outras. Não no sentido de ser popular, linda e ter o mundo aos seus pés, mas porque ela é exatamente o oposto. Ela nunca sai, não se diverte, não tem amigos e nem lembranças que a maioria das pessoas tem, como andar de bicicleta. Auden é uma adulta em um corpo jovem e até pouco tempo ela achava isso bom, mas só foi ela passar as férias de verão com o pai, a madrasta e sua meio-irmã para repensar isso. Na cidade litorânea de Colby, Auden abre os olhos para uma vida assustadora e com a qual ela não está acostumada. Uma vida onde as pessoas se importam umas com as outras e esperam coisas que ela não sabe como dar. Eli entra exatamente aí, com seu jeito misterioso e um trauma complicado de superar. Os dois se conhecem e o improvável acontece, um envolvimento. Esse sentimento vai fazer com que os dois comecem a viver suas vidas de modo diferente e verdadeiro.

Auden é a protagonista do livro e quem narra a estória de A caminho do Verão. Poderia descrever essa personagem como peculiar. Ela foi negligenciada pelos pais a vida toda, que a tratavam como uma adulta quando na verdade ela era uma criança e depois uma adolescente. O resultado disso foi uma menina que não tem muitas experiências sociais e quase nenhuma quando se trata de sentimentos. O personagem que vai mudar isso é o Eli. Ele não é um garoto que eu consideraria bonito, mas é a personalidade que conta e o Eli é um garoto sensato. As coisas entre os dois demora um pouco a engrenar, porque algo aconteceu com o Eli que o deixa mais fechado para a vida e consequentemente, para as pessoas. O casal vai começar a sair, num horário estranho e para fazer coisas nesse estilo, e se entender e então o romance avança.

É algo terrível quando alguém deixa você, pavoroso. Você pode seguir em frente e fazer o melhor possível, mas, como o Eli tinha dito, o fim é um fim. Não importa quantas páginas de sentenças e parágrafos de histórias maravilhosas tenham levado até ele: sempre haverá uma última palavra.


Acredito que os fãs de romances mais realistas e sem muita frescura vão gostar desse livro. A autora foi muito pé no chão ao inserir um envolvimento entre a Auden e o Eli. Os dois passam, e passaram, por problemas familiares e de outros tipos e o relacionamento deles não é tratado como a razão da vida de cada um, é normal sabe? Eles se conhecem e vão cuidando um das feridas do outros, amadurecem e pronto. Não tem palavras de amor, flores ou coisa do tipo, mas tem a expressão do 'gostar' da forma que eu acho que todos deveriam fazer com quem se ama: com atitudes. O Eli ajuda a Auden a superar os problemas que ela tem com a família estando ao lado dela, dando conselho e fazendo-a se abrir. A Auden faz a mesma coisa com o Eli que não tem problemas com a família, mas com um fato que aconteceu no seu passado.

O livro vai tratar de diversos relacionamentos, o dos pais com os filhos, das filhas com as mães, das filhas com as madrastas, dos relacionamentos entre amigos, irmãos e entre homens e mulheres. A principio podem ser muitos relacionamentos para detalhar, mas todos eles estão entrelaçados na vida da Auden e na nossa vida também. Afinal, todo mundo tem problemas com familiares e se envolve com várias pessoas ao longo da vida. Eu percebi que esse livro é bem parecido com uma novela, mas esqueçam todas esses clichês delas e essa coisa pejorativa que ronda esse tipo de programa. É parecido com uma novela, porque tem vários enredos e cada um deles tem um conflito que precisa ser resolvido. Pensem dessa forma para entender melhor: a Auden tem um problema com cada relacionamento que eu descrevi acima e cada um é resolvido durante a narrativa.

A Sarah Dessen é realmente uma autora diferenciada, eu já tinha uma suspeita disso quando li Just Listen e agora veio a prova. Ela sabe lidar com problemas de adolescentes e familiares com uma verdade impressionante. O tempo todo eu me via em algum tipo de relacionamento que a Auden tinha, então a minha identificação com o livro foi enorme. Consegui gostar de todos os personagens, mesmo os secundários, e ler o livro não só pela protagonista, mas por eles também. Eu queria que todos terminassem bem e com um final que combinasse com o enredo, realista, e foi isso o que aconteceu. Agora eu quero pegar outros livros da autora e saber se ela vai me conquistar em todos eles. Sendo assim, não poderia deixar de dizer para vocês que leram a resenha até aqui, se joguem nos livros da Sarah Dessen. Vale cada palavra!

São as coisas pelas quais você luta e contra as quais batalha antes de ganhar que têm o maior valor. Quando algo é difícil de conseguir, você batalha aquele tanto a mais para ter certeza de que é mais difícil - se não impossível - perder.

A Caminho do Verão
Sarah Dessen
Editora iD - Twitter/Facebook

6 comentários:

  1. Sarah Dessen é mesmo muito boa escrevendo sobre o universo jovem. Ela não cria estereótipos, não escreve uma trama tola, mas sim inteligente, que nos faz pensar, reviver momentos, mudar certos pensamentos.
    Eu me encantei com esse livro. Ganhei esse livro numa promoção da ID e adorei esse livro. Amei o Eli desde o primeiro momento. Gostei do modo como tudo foi se desenrolando, se encaixando e dando certo no fim.
    Eli e Auden se encontraram para encontrar o que cada um tinha perdido de si mesmos. Um ajudou o outro a sarar as próprias feridas. O gostar deles é um gostar tranquilo, bonito, baseado em ações, em olhares e poucas palavras. Às vezes, claro.
    E adorei o horário em que eles saíam para se aventurar. Um horário incomum. Enfim, foi um livro que eu curti muito ler.

    Beijo!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  2. ADOREI a resenha!!
    Depois de ler este livro eu fui correndo atrás de Just Listen, rsrs. Consegui uma troca no skoob e não vejo a hora de ler.

    A Sara tem um jeito leve de escrever, me conquistou!!

    Bjkas

    Lelê Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oiee =)
    Nossa, essa capa é tão lida e delicada, e o melhor a escrita da autora é boa, Não tive oportunidade ainda de ler algo dela, mas agora estou curiosa e bem gosto desse estilo de livro *oo*
    Beliscões da Máh ♥
    Blog
    Instagram

    ResponderExcluir
  4. Nossa senhora, cade meu dom de ser argumentativa assim? Adorei o enrendo, e pelo visto a autora tem outros livros bons. A unica coisa que não gostei foi o fato de ter traumas envolvidos... to meio de saco cheio dessa coisa. Mas parece ser interessante e vou marcar como desejado no skoob!

    beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa mais uma dizendo que a autora é boa :D. Quero tanto ler um livro dela. Eu sou o tipo de pessoa que gosta de romances assim como você disse leve, que não força a barra e que a gente vai sentindo que eles realmente se gostam, acho que esse livro deve ser realmente lindo.

    Beijos
    http://www.partesdeumdiario.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá Denise,

    Nunca li nada da autora, tenho alguns livros dela e pretendo ler ♥

    Beijos!

    http://www.viajenaleitura.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.