Resenha: Trono de Vidro

10/01/2014


Depois de cumprir um ano de trabalhos forçados nas minas de sal de Endovier por seus crimes, Celaena Sardothien, 18 anos, é arrastada diante do príncipe. Príncipe Dorian lhe oferece a liberdade sob uma condição: ela deve atuar como seu campeão em um concurso para encontrar o novo assassino real. 

Seus adversários são ladrões e assassinos, guerreiros de todo o império, cada um patrocinado por um membro do conselho do rei. Se ela vencer seus adversários em uma série de etapas eliminatórias servirá no reino durante três anos e em seguida terá sua liberdade concedida. 

Celaena acha suas sessões de treinamento com o capitão da guarda Westfall desafiadoras e exaustivas. Mas ela está entediada com a vida da corte. As coisas ficam um pouco mais interessantes quando o príncipe começa a mostrar interesse por ela... Mas é o rude capitão Westfall que parece entendê-la melhor. 

 Então um dos outros concorrentes aparece morto rapidamente seguido por outros... Pode Celaena descobrir quem é o assassino antes que ela se torne a nova vítima? A medida que a investigação da jovem assassina se desenrola a busca por respostas a leva descobrir um destino maior do que ela jamais poderia ter imaginado. 

Celaena tem apenas 18 anos, mas já é a maior e melhor assassina de Adarlan. Aprisionada e enviada as minas de sal a um ano, ela recebe uma proposta tentadora de Dorian, o filho do rei que a enviou para o pior lugar do mundo. A proposta consiste em lutar contra outros assassinos, e o que ela vai ganhar com isso caso vença? A liberdade após 4 anos servindo o rei, sim, o mesmo que a condenou. Sem ter outra alternativa, Celaena é enviada ao castelo de vidro para treinar e representar o príncipe na disputa. Poderia ser algo simples para uma assassina, lutar e matar os outros competidores, mas algo já esta fazendo isso. Alguém, ou alguma coisa, esta matando eles de uma forma bem cruel, arrancando seus órgãos vitais e cérebro. Agora resta a Celaena não só vencer o campeonato como também descobrir quem esta por trás disso, antes que ela seja a próxima.

Trono de Vidro me conquistou primeiro pela capa. Ao contrário da maioria, eu achei fiel a moça da capa com a Celaena principalmente o vestuário e as armas, só os cabelos que não combinam, que da protagonista é loiro. Demorei um pouco para ler, mas não me arrependi. Ele acabou me surpreendendo porque eu esperava um livro mais sangrento quando ele foi um equilíbrio entre ação, sobrenatural e romance.

Lendo eu fiquei pensando que este livro esta para as mulheres, assim como Assassin's Creed esta para os homens. O segundo não me cativou muito por ser mais politico e com varias cenas de sangue e luta. Este tem as suas cenas de ação e de sangue, mas tem um toque sobrenatural interessante, além de um romance fofo que deu o toque feminino do livro.

Eu li poucas resenhas desse livro, mas um comentário em uma delas me chamou a atenção. A resenhista questionava o fato da Celaena ser uma assassina e ainda assim se preocupar com vestidos, festas e essas coisas de 'menina'. Desde o começo do livro a Celaena deixa claro que além de ser uma assassina, ela é uma mulher e como tal, ela gosta de se sentir bonita e desejada. Aliás, é isso que a torna tão legal de ler.

A Celaena não esconde seus sentimentos e fala o que quer falar, mesmo que isso a faça parecer arrogante. Eu achava engraçado quando ela queria ser reconhecida com a melhor assassina porque ela é a melhor e não tem vergonha disso. Antes de falarem 'ai, mas ela mata pessoas' e coisas do tipo, pensem que no mundo em que o livro se passa, isso é uma coisa admirável. Enfim, por ser ela mesma e bem normal apesar dos pesares, ler a Celaena foi ótimo.

Ela venceria. Venceria e serviria o rei. Depois, desapareceria para sempre e nunca mais pensaria em castelos, reis ou assassinos. Celaena não desejava reinar sobre a cidade novamente. (...) Celaena não tinha destino. Não mais.

O livro é narrado em terceira pessoa e além de acompanharmos a Celaena, também tem os personagens Chaol, Dorian, o rei, Nehemia e Elena. Chaol é o capitão da guarda real, um jovem centrado, serio e honroso quanto ao que se propõe a fazer. O Dorian é o príncipe herdeiro de Adarlan, reino onde o livro se passa. O príncipe é mais jovem do que o capitão e a personalidade dele é mais cativante e extrovertida. Ele sabe que é bonito e utiliza isso para atrair as mulheres.

A principio pode parecer que esse livro tem um triangulo amoroso, mas não tem. A Celaena escolhe um dos rapazes, que lógico que eu não vou contar, e o outro nem chega a expressar seus sentimentos porque eles estão bem no inicio. No próximo eu já não sei se o triangulo aparece. Se fosse eu, escolheria o Chaol. Não citei os outros personagens de proposito, pois são peças chaves não só nesse livro, mas na série.

Foi uma leitura super agradável, mas não rápida. Demorei a engrenar por causa da situação em que a protagonista se encontra no começo do livro. Até que ela comece a disputa do campeonato, nada é definido. Ela estava presa e depois vai para o castelo de vidro ganhar peso e ritmo, para então as coisas começarem a acontecer. Depois que o campeonato começa, ai sim fica bom e a leitura ganha ritmo e as pitadas sobrenaturais aparecem. Não é o que a maioria imagina, é algo envolvendo magia e um ser sobrenatural que eu não costumo ler muito.

Estou empolgada com a continuação porque apesar de fechar essa estória, várias possibilidades podem ser retomadas no segundo e nos próximos. Espero também que a Galera lance os prequels dessa série (7contos meu povo, isso que se tem notícia), que vão contar a estória da Celaena antes dela ser presa e Trono de Vidro começar, além dos personagens principais, Dorian e Chaol.

Celaena sentiu que o príncipe a observava, olhava para suas costas e para as três cicatrizes que o decote da camisola deixava à mostra.
- Suas cicatrizes são horríveis.
- Todos carregamos cicatrizes, Dorian. As minhas são apenas mais visíveis que as da maioria.

Trono de Vidro - Throne of Glass - Livro 01
Sarah J. Maas
Editora Galera Record - Twitter/Facebook
 

9 comentários:

  1. Esse livro parece ser realmente muito interessante
    Gostei do fato de ser uma série

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Só tinha lido uma resenha desse livro e não me interessei muito, agora fiquei bem mais curiosa! Gostei da protagonista ser uma assassina e ainda assim se preocupar com vestidos e festas...
    Beijos!
    http://sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oie, tudo bom?
    Quando esse livro foi lançado eu não tinha muito interesse nele, mas depois de ler algumas resenhas eu achei a premissa instigante. Acho que o diferencial da protagonista é justamente ser uma assassina e mesmo assim não deixar ser mulher.
    Beijos
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Essa é a primeira resenha que leio desse livro e fiquei super empolgada. Gostei de Assassin's Creed - Renascença e achei bacana a comparação feminina com Trono de Vidro. Com certeza é um livro que já entrou para os desejados.
    Parabéns pela resenha!
    Bjs
    http://magicaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu quero muito esse livro *-*
    Mais e o dinheiro pra comprar? Ai deus, vida de leitura não é fácil.
    HSUHSUHS

    Gabriel - umpapoentrepaginas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oiii,
    Adquiri esse livro nessa semana e estava um tanto receosa, mas tua resenha deu uma incentivada.
    Eu amo essa capa e gostei muito da sinopse.
    Quero ver se consigo ler em breve.
    Beijos.
    Katielle
    Leitura Maravilhosa

    ResponderExcluir
  7. Nunca tinha ouvido falar nesse livro, mas fiquei curiosa com a resenha.
    Apesar de não ter gostado muito da capa, achei a estória interessante. Espero um dia, poder ler.

    beijos.
    like-a-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Já li esse livro e gostei bastante. No início achei Celaena um pouco contraditória, não por sua vaidade, mas por muitas vezes mostrar comportamentos altruístas que não combinavam com uma assassina. Depois, pensando bem e considerando o contexto de Adarlan e do passado de Celaena, acredito que seja aceitável. Ela tem seu lado bom e ruim e se sente bem com ambos. Além disso, sabemos muito pouco sobre o passado da assassina, então não temos como saber em detalhes o que a levou a ser uma. Quanto à magia e à mitologia, achei bem interessante, embora quisesse ter sabido um pouco mais sobre a história de Adarlan.

    Abraços!
    http://contosdemisterioeterror.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.