Cine Cult: Frankenstein - Entre Anjos e Demônios

24/01/2014

E finalmente o Cine Cult voltou!!!!! Depois de mais de seis meses sem uma critica cinematográfica, a coluna que faz resenhas/comentários sobre os filmes que estão sendo lançados, volta com o filme Frankenstein - Entre Anjos e Demônios. A estreia dele é hoje, com distribuição da Playarte.


Ah, mais uma vez somos fisgados pelo fascínio do homem que ousou ser Deus. Acredito que todos conheçam a estória da escritora inglesa Mary Shelley, onde um cientista reúne pedaços de cadáveres, costura-os em formato de corpo humano e através da eletricidade da vida a essa criatura. A criatura em questão, é o personagem principal nessa nova versão de Frankenstein dirigido por Stuart Beattie e com roteiro de Kevin Grevioux junto com o diretor. O monstro agora tem um papel um pouco mais nobre do que nas outras versões e isso foi o que me chamou a atenção num primeiro momento. O subtitulo 'Entre anjos e demônios' já dá uma ideia de que uma batalha entre o bem e o mal acontece, e o Frankenstein está no meio dela.

O filme começa recontando os passos do Victor Frankenstein na criação do ser, em alguma coisa por volta de 1800, e logo após ele estar vivo passamos para os dias de hoje. No momento atual, uma batalha entre gárgulas, que é a ordem dos anjos na Terra, e demônios acontece. Essa batalha na verdade é antiga, mas o momento do filme é o mundo como conhecemos hoje. O Frankenstein está vivo e quer vingança contra os que estão atrás dele, os demônios, e quer descobrir porque é perseguido. Em uma outra estória, que depois se encontra com a principal e vira uma só, uma médica trabalha num experimento para reanimar os mortos. Patrocinada por um homem perigoso e que tem as piores intenções possíveis para o sucesso do mesmo, ela se vê entre a luta de seres que ela nem achava que existia.


O ponto que mais me agradou nesse filme, foi o fato da solidão. Isso vem do livro, que retrata a angustia da criatura, sem nome, por não pertencer a lugar nenhum, a raça nenhuma. O Frankenstein do livro é motivado pela raiva de não ser humano e por isso, não conseguir estar entre eles. O do filme parte do mesmo principio, só que aqui, ele não é demônio, gárgula (anjo) ou humano. Dá para fazer umas reflexões legais sobre o assunto. Mesmo que alguns acreditem que Deus não existe, a ideia de que viemos de algum lugar é importante para a sanidade. O assombro de não ter um semelhante é muito visível no filme, tanto que tem um momento que o pedido do Frankenstein em ter um a companheira é levantado. Ele não queria mais ser o único desse jeito no mundo.

A religiosidade também está presente nesse filme, acredito que o subtitulo deixe isso claro. A luta entre o bem e o mal, que no caso é entre os anjos e demônios pela humanidade, é um assunto clichê, só que a razão do Frankenstein ser importante para os dois lados é interessante. E aqui é onde entra a questão da alma e de que como somos concebidos por Deus, temos uma. Como o Frankenstein foi criado por um homem, ele não possui a sua. Eu não acredito que esses aspectos de religião impeçam alguém de ver o filme e gostar. O alicerce dele é esse, então não dá para fugir muito, mesmo que a ação também tenha um papel de grande destaque como comento mais no final.


As atuações dos personagens não tem um destaque tão grande assim. Aaron Eckhart faz o Frankenstein e a preocupação com as lutas não deixaram ele ser um monstro tão bom assim. Maquiaram algumas cicatrizes no rosto e corpo, mas ele é ele mesmo, sem prótese ou coisa do tipo. Algo que muitas versões usam para remeter as formas estranhas que um corpo todo remendado teria, então isso ficou bem fake nesse longa. Miranda Otto é uma atriz que talvez a maioria conheça também, ela faz a rainha dos gárgulas e fez Senhor dos Anéis. O único problema que eu vi no filme foram as falhas na junção de algumas partes do enredo. Você esta vendo uma sequência linear e vai para outra cena que não tem nada a ver com a anterior e depois volta. São algumas cenas que não não fazem sentido onde foram colocadas.

Por mais que tenha um ou outro ponto que me desagradou no longa, valeu a pena assistir. A minha sessão foi em 3D e as cenas de ação tem efeitos muito bons, como por exemplo a diferença quando os anjos e demônios morrem. As cenas de luta também são boas e elas estão em praticamente o filme todo. Já aviso que não tem romance ou cenas muito tempo paradas, então para os meninos será um prato cheio. Meninas, não fiquem triste, tem uma cena do Aaron Eckhart que vale o filme todo, acreditem. Esse enredo é baseado na HQ 'I, Frankenstein' do roteirista e ator americano Kevin Grevioux, que eu não conheço e não li, mas fiquei interessada em dar uma olhada.


Abaixo o trailer do longa que passará nos cinemas de todo Brasil.


-Deus vai amaldiçoar você.
-Ele já fez isso.

10 comentários:

  1. Só uma dica... ninguém usa mais "estória". Antigamente existia uma diferenciação, mas hoje "história" é aceita para todos os casos. Sobre o filme, respeito a opinião de cada um, mas nem amarrado e amordaçado eu assistiria esse filme. Frankenstein pra mim é esse aqui: http://blogtocaoterror.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Geraldo, como são tantas as versões de Frankenstein, eu nem tenho mais uma imagem formada dele. A que é a do livro se perdeu praticamente, mas o filme é interessante a maneira dele e tem sim suas falhas e qualidade também.

      Sobre o estória. Os estudiosos da língua não descartam o 'estória', apenas o Aurélio diz isso e por tabela as escolas e por aí vai. Não entra na minha cabeça que não exista uma diferenciação para história real e fictícia e que ela se dê apenas pelo contexto, por isso uso aqui no site. =D

      Bjs, @dnisin

      Excluir
    2. Pois é Denise. Muitas pessoas também comentam no meu blog quando escrevo estória da outra forma, história, como se fosse uma espécia de correção camuflada do que escrevi. Concordo com você, continua usando estória para diferenciar verdade de ficção, acho válida e ainda correta.

      Excluir
  2. Eu tinha visto o trailer deste filme enquanto esperava pelo início de outro no cinema, a princípio fiquei bem interessada nele, mas eu estava esperando uma opinião sincera sobre ele para me decidir.

    Apesar de achar um pouco confusa a ideia de sequencia de cenas que não se completam, gostei bastante da ideia de um filme cheio de ação. Então tá decidido, irei assistir ao filme.

    http://confraria-cultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise
    Tô qrendo mt ver esse filme, talvez veja nesse finds!
    Gostei da sua resenha, vou prestar mais atenção nos detalhes hehehehehe

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu vi a chamado do filme, e achei bem interessante, principalmente tendo ação o tempo todo.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Sobre o filme, muito me interessou! Recentemente li o livro Frankestein e fiquei bastante emocionada com a estória desse ser. A solidão realmente é algo forte e sinceramente não considero ele um monstro e sim um miserável, deve ser muito ruim estar na pele dele.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Monólogo de Julieta.

    ResponderExcluir
  6. Olá Denise,

    O filme parece interessante e os efeitos devem ser grandes hein....gostei da dica.....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. o filme é ótimo, porém não ficou claro como os anjos morrem no filme....

    ResponderExcluir
  8. Honestamente, o filme não gostou, não nego que é divertido, mas faltava muito para conseguir cativar as pessoas. No entanto me lembrou a nova série Penny Dreadful cujo tema abordará a origem de alguns clássicos da literatura como o Dr. Frankenstein, Drácula e Dorian Gray.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.