Resenha Nacional: Invasora - A convocação

15/11/2013


Sammy é apenas mais uma adolescente, entre tantas, que enfrenta a difícil crise da separação dos pais. Ela achava que a sua vida estava um verdadeiro caos, porém as coisas ficam ainda piores quando ela é atropelada e acorda no século XVI. No início pensou estar sonhando, depois achou que estava ficando completamente louca, mas percebeu que nada teria importância se o amor que descobriu sentir por Ian fosse correspondido. Contudo, esse amor está fadado ao fim, ela terá que retornar ao seu tempo se quiser continuar vivendo. Um envolvente romance onde as aparências enganam e o tempo também é um inimigo.
Invasora: A convocação, é narrado em primeira pessoa pela Sammy e em terceira pessoa pelo Ian, ambos protagonistas do livro. A Sammy é uma menina de 16 anos que sofreu um acidente num dia normal e foi parar em um século passado. A personalidade dela é forte, mas com um pouco de mimimi da idade que a gente releva. O que eu mais gostei na Sammy foi a sua determinação: ela quer, ela vai atrás. O Ian tem uma beleza antiga, cabelos longos e olhos azuis, além da elegância com as casacas longas e botas. Embora ele seja muito protetor em relação a Sammy e astuto na hora de descobrir as coisas, eu o achei bem extremista. O amor que ele sente pela Sammy é recente e ele expressa isso de uma forma muito intensa, sentimento esse, que eu não achei apropriado para o começo de uma narrativa.

Este não foi um livro que me agradou tanto quanto eu imaginava e olha que a ideia dele era muito boa, mas faltou um desenvolvimento melhor para ele. A primeira coisa que me incomodou logo de cara foi o amor exagerado do casal protagonista assim que se encontram. Quando a Sammy acorda na Inglaterra do séc. XVI e vê o Ian no quarto onde ela está, ela se sente conectada a ele. Por parte do Ian, a situação é mais difícil de acreditar, pois eles se conhecem a apenas uma semana (desta semana, 3 dias ela passa desacordada) e ele já afirma que não pode viver sem ela e que a mesma trouxe a razão para sua existência. Achei essa parte forçada, talvez fazer com que o casal se conhecesse primeiro e aos pouco sentissem esse amor todo fosse mais coerente.

A autora colocou o livro para ser narrado em primeira e terceira pessoa como eu tinha dito e isso me incomodou muito, isso porque na hora do Ian narrar, a cena se repete. Funciona assim, a Sammy narra em primeira pessoa e dai o Ian vem contando a visão dele dos mesmos acontecimentos, só que em terceira pessoa. Isso tornou a leitura muito cansativa e pouco informativa. O Ian narrando acrescenta alguns fatos novos e o sentimento dele quando esta junto com a Sammy, o único problema é que a leitura não fica linear, fica truncada com esse volta e continua, eu preferiria que eles narrassem em primeira pessoa e um continuando da onde o outro parou. Esse jeito de narrar é complicado, pois a autora tem que bater certinho as duas estórias, coisa que nem sempre acontece nesse livro.

Este é um romance sobrenatural e a ideia do que seria um Invasor era interessante, porém ela não foi tão bem explicada. No começo a Sammy  não sabe o que é e quando isso é explicado a ela, não é de forma clara. Ainda temos o fato do Ian também ser um ser sobrenatural e isso ser revelado depois da metade do livro. Isso não é um fato isolado, eu tenho lido livros sobrenaturais onde os autores tem demorado muito para explicar as coisas ao leitor, eu particularmente não gosto disso. Eu gosto de ler um livro entendendo ele e não ficando perdida e depois que souber as coisas pensar: 'ahhh, então era isso'. O autor tem que saber dosar o mistério da sua estória e não segurar demais a ponto do leitor se cansar. Quando eu descobri o que o Ian era não estava assim tão empolgada.

Invasora: A convocação é o primeiro livro de uma série e eu não tenho certeza se lerei a continuação. O livro acaba com um gancho para o segundo, mas eu não me envolvi com os personagens e o enredo devido ao que eu disse acima. Dei três estrelas para o livro, pois a ideia no geral é boa, só não foi bem desenvolvida para mim. Eu fiquei com a nítida impressão que a autora tinha varias ideias legais e colocou tudo num livro, só que sem trabalhar cada uma de forma detalhada e com calma. Não sei, pode ser que na continuação as coisas sejam diferentes, mas por enquanto, o próximo eu não lerei. Como eu digo em resenhas onde o livro não me agrada tanto, essa é a minha opinião e pode ser que quando vocês lerem, gostem dele. Essa é a magia da leitura.

Se tudo o que lhe foi relatado pelos membros do conselho fosse real, Sammantha Da'lForte era alguém demasiadamente poderosa e igualmente perigosa.
Invasora: A convocação
J. S. Dalmolin
Editora Novo Século - Twitter/Facobook

7 comentários:

  1. Acho que você falou tudo Denise! Eu li " Perdida" da Carina depois de ler sua resenha e adorei! Terminei ontem e como eu disse na resenha do livro eu meio que gosto dessa mistura de épocas. Antes de ler sua opinião sobre " Invasora" eu só tinha lido a sinopse e achei até meio estranho por causa do nome do protagonista ( Na época era tão comum assim o nome Lan ?) e também a ideia em si . Também não gosto muito de livros que não são desenvolvidos direito , tipo aquele suspense e gostinho de " querer por querer " chegar logo ao final .
    Gosto muito de sobrenatural , mas esse livro não me interessou muito , ainda mais por ter continuação e eu já tenho tanta séries pra ler rsrs
    Enfim a resenha ficou maravilhosa e sua opinião está 10!
    Se um dia ler eu te conto minha opinião :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, tudo bem?

    Pelo que vc foi falando, também achei a ideia do livro bem interessante. Porém uma coisa que me incomodaria, talvez não no inicio, mas lá pelo final do livro eu já estaria cansada, é o fato da mesma cena ser narrada em primeira e terceira pessoa. Esse é um livro que eu talvez leria, mas com certeza não por agora.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia
    Mas gostei da dica
    E é muito ruim quando os autores tem uma super ideia mas não sabem desenvolve-la direito
    Isso acaba deixando muitas pontas soltas, que as vezes eles não amarram nos próximos livros da série, pelo contrario, deixam mais outras ...

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Lendo sua resenha após ler a sinopse me bateu uma sensação de 'eu já vi isso em algum lugar', então acabei lembrando de 'Perdida' e eu achei engraçado o modo como as duas histórias possuem pontos em comum. Eu gosto bastante de livros sobrenaturais e sou fissurada em um bom mistério, contudo, não gosto de histórias que não narram os fatos em uma sequência bem definida. Por enquanto, nutro um sentimento misto pelo livro. Não sei se lerei um dia, mas também não descarto a possibilidade de lê-lo.
    Beijos,
    Isabelle | http://www.mundodoslivros.com/

    ResponderExcluir
  5. Denise, te entendo quando diz que não gostou muito do desenvolvimento do livro pelo quesito romance. Eu também não gosto quando é forçado dessa maneira, se torna surreal e muito chato.

    ResponderExcluir
  6. Oie Deni
    Também não gosto de casais que se conhecem em menos de uma semana já dizem que estão apaixonados perdidamente. Pra mim, isso não existe e também acho forçado a relação.
    Eu não conhecia esse livro, mas pelo que li da resenha não me chamou a atenção. E quando a história não tem um desenvolvimento isso acaba desgastando a leitura.
    Parabéns pela resenha.

    Jéssica
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não li esse livro, mas eu estou seca por romance, principalmente sobrenatural!!
    Com certeza entra para minha lista.. mas não sei se irei ler haha
    otima resenha!
    http://divergentvote.blogspot.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.