Resenha: Seis coisas Impossíveis

29/10/2013


Dan Cereill levou um encontrão da vida: seu pai faliu, assumiu que é gay e separou-se de sua mãe, tudo de uma vez só. Enquanto isso, sua mãe recebeu de herança uma casa tombada pelo patrimônio histórico que cheira a xixi de cachorro, mas que não pode ser reformada... E, agora, Dan está vivendo em uma casa-relíquia que parece um chiqueiro, com uma mãe supertriste e sem conseguir falar com o pai — que ele ama muito. 

Suas únicas distrações são sua vizinha perfeita, Estelle, e uma lista de coisas impossíveis de fazer, como: 

1. Beijar a garota. 
2. Arrumar um emprego. 
3. Dar uma animada na mãe. 
4. Tentar não ser um nerd completo. 
5. Falar com o pai quando ele liga. 
6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí... 

Mas impossível mesmo será: 

1. Não torcer para que Dan supere seus problemas. 
2. Não rir muito com os devaneios dele. 
3. Não querer ter um cachorrinho como Howard. 
4. Não desejar que a mãe de Dan encontre a felicidade. 
5. Parar de ler este livro. 
6. Não querer abraçar o livro depois de tê-lo terminado... 
Seis coisas Impossíveis é narrado pela visão do protagonista Dan Cereill, um garoto de 15 anos que acabou de ter a sua vida virada de cabeça para baixo. Seus pais se separaram porque o pai assumiu ser gay, além de revelar que perdeu todo o dinheiro da família, deixando eles sem nada. Tendo que se mudar para um casarão deixado de herança para a mãe, Dan muda de escola e tem que se adaptar a essa nova fase. Seu amor platônico pela vizinha Estelle só complica mais as coisas. Ele não sabe como fazer para se aproximar dela por mais que tente, até que estar na mesma sala que ela, facilita um pouco esse contato. Vamos acompanhar o Dan nessa experiência e torcer para que ele, a mãe e o cachorro Howard sejam felizes até que o livro termine.

O personagem Dan é uma gracinha de se ler. Ele é engraçado, maduro e completamente inseguro. Aqui temos um fato interessante, a autora soube escrever pelos olhos de um menino. O que acontece às vezes, é a autora dar características que a gente sabe que os garotos não possuem, mas neste livro é diferente. Por mais apaixonado, ou para baixo que o Dan esteja, você sempre vai perceber que é um menino narrando. A mãe dele é uma personagem um pouco perdida no começo, já que o marido a deixa e leva junto com ele a segurança familiar que representava, então temos um pequeno crescimento dela no enredo. E temos também a Estelle, objeto de adoração do Dan. No inicio eu a achei muito fútil e chata, daquelas meninas metidas e que não merecia o amor de um garoto como o Dan, mas depois ela se mostrou mais compreensiva e amigável quando o ajudou nas questões familiares.

Quem quer que seja que escreveu o manual das mulheres, bem que podia me mandar uma cópia, e com um glossário completo. 
O tom que permeia o enredo é a comédia. O Dan narrando as cenas é engraçado e as situações em que se mete também, assim como a mãe. Imaginem vocês que uma recém separada quer começar um negócio de bolos de casamento, até ai tudo bem, só que daí ela decide dar conselhos para as noivas e simplesmente faz com elas terminem os seus casamentos. É mais ou menos assim que as coisas funcionam. A relação dele com o Howard, o cachorro que veio junto com a herança, também é engraçada. Ele trata o animal como uma pessoa, conversando com ele e até pedindo conselhos. Já com a Estelle, ele terá momentos de comédia, mas a maior parte do tempo eles serão fofos. Como todo garoto que esta começando a se apaixonar, ele mais paga mico e mete os pés pelas mãos do que consegue se aproximar dela.

Por mais que o tom do livro seja comédia, temos um pouco de reflexão nele. O Dan vem de uma separação dos pais e ter que lidar com essa mudança já é difícil e ainda tem o fato do pai ser gay. Não vou aprofundar nessa questão, pois cada um tem a sua opinião sobre o assunto, mas eu senti que o Dan teve dificuldade em aceitar que o pai sente atração por outro homem. Ele conversa com um amigo sobre isso e tem um momento que ele para e fala 'meu pai é gay' e é perceptivel o estalo que dá na cabeça dele para o que significa isso. Depois ele ainda comenta que não quer pensar em como essa nova fase do pai funciona. Fora isso, ainda tem a mãe que começa a querer se relacionar com outros homens mais para o fim do livro, e o Dan também tem que lidar com isso. Essa nova figura na vida dele.

A leitura desse livro foi muito agradável, leve e descontraída. Tem sim alguns pontos que nos fazem pensar, como a estrutura familiar e tal, mas nada que você deva ficar tenso ou passar horas e horas pensando nisso. A autora foi muito feliz ao deixar o enredo entre a comédia e a leve reflexão, isso tornou o livro despretensioso. Acredito que muita gente possa pegar esse livro não esperando muito, e se surpreender com alguns pontos e ficar feliz com o modo como tudo termina. Ela conclui o livro, mas deixa algumas coisas em suspenso como o caso do Dan com o pai, só que nesse caso eu acredito que ela fez bem. Se a autora entrasse nessa questão do filho com o pai gay, ela correria o risco de aprofundar num assunto que independente da opinião dela, não iria agradar todo mundo. Do jeito que o livro foi construído e terminou, acredito que todo mundo vai gostar de pelo menos alguma coisa. Eu gostei de tudo, desde o personagens até o Howard.

-Quem é você? - pergunta a menina ao lado dela.
-Phyllis, esse é o... desculpe, é Dan, né?
-Dan, isso - respondo. 'Danisso'? Dá nisso? Mas o que é isso? Isso não é nada bom.
Seis Coisas Impossíveis - Um choque de realidade de cada vez, por favor!
Fiona Wood
Editora Novo Conceito - Twitter/Facebook

6 comentários:

  1. Olá Denise,

    Como perdi o dia da solicitação não troquei ele no meu NCpoints por estar em dúvida, mas quem sabe no futuro...parabéns pela sua resenha...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não solicitei esse livro porque ele não me chamou atenção quando li a sinopse, mas parece ser bem legal. Essa é a segunda resenha que vejo dele nos blogs que visito e o mesmo ponto é destacado que é o humor do personagem.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  3. Não solicitei esse livro porque não vi a data
    Mas parece ser realmente muito bom
    Quando tiver oportunidade vou procurar para ler

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Denise, <3
    Isso é muita maldade com a minha pessoa! Você que fez a segunda lista? Achei bem interessante!
    Parece ser divertido, quem saiba eu leia algum dia desses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Lú, as duas listas fazem parte da sinopse do livro. ;)

      Bjs, @dnisin

      Excluir
  5. Oi Deh... vai no google e digita 'na floresta do bicho preguiça' É um outro livro. Assim que vi essa resenha pensei que fosse ele. Gostei dos impossíveis não querer;; :D

    Bye da Pah
    Livros Estrelas

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.