Resenha: Os Adoráveis

15/10/2013


Jeane é blogueira. Seu blog, o Adorkable, é um blog de estilo de vida — na verdade, o estilo de vida dela — e já ganhou até prêmios na categoria “Melhor Blog sobre Estilo de Vida” pelo e Guardian e um Bloggie Award. Adora balas Haribo, moda (a que ela cria, comprando em brechós) e colorir (ou descolorir totalmente) os cabelos. Cheia de personalidade e meio volúvel, ainda assim Jeane é bacana — mesmo nos momentos em que se transforma numa insuportável. Mas, certamente, ela não olharia duas vezes para Michael. Porque Michael é o oposto de Jeane. 

Ele é o tipo de cara que namoraria a garota mais bonita da escola. E compra suas roupas na Hollister, na Jack Wills e na Abercrombie. Além disso, diferente de Jeane, que é autossuficiente, Michael é completamente dependente do pai, o Clínico Geral que condena açúcar, e ainda permite que sua mãe compre suas roupas! (Embora, para Jeane, o pior mesmo sobre Michael é que ele baixa música da internet e nunca paga por isso). Jeane e Michael têm pouco em comum, além de algumas aulas e uma maçante dupla de “ex” — Scarlett e Barney. Mas, apesar disso, eles não conseguem se desgrudar desde que ¬ ficaram pela primeira vez. 
Michael acha a aproximação de sua namorada com o namorado de Jeane estranha. Ok, não tão estranha comparado a própria Jeane, mas o fato é que ele acredita que está sendo traído e tenta alertá-la disso. O primeiro contato dos dois não poderia ser pior, a arrogância dela, acaba provocando a ira dele. Passado a estranheza inicial, eles decidem investigar o que está por trás da aproximação dos seus pares. A convivência, forçada, desperta neles uma atração. Algo que com o passar do tempo eles não conseguem controlar, e entender, já que o cara mais popular do colégio nunca poderia se interessar pela feia malvestida. Mas no amor e na adolescência as coisas não tem muita explicação não é verdade?

O livro é narrado em primeira pessoa pelos dois protagonistas. A Jeane é uma personagem extremamente difícil de ler, daquelas que você ama ou odeia. Eu não cheguei ao ponto de odiar ela, mas não me desceu bem as suas ações. Tinha momentos que eu até gostava de algumas atitudes e sentimentos dela, só que a arrogância da personagem é intragável. Além de se achar melhor que os outros, ela humilha as pessoas e faz umas coisas cruéis às vezes. O Michel, pelo contrário, foi um personagem fofo de se ler. Ele não tem nada de diferente dos outros adolescente, além de ter um forte senso de responsabilidade. A aparência física dele também não é a mais espetacular do mundo, então ele é mais real.

Os dois como um casal não tem nada a ver, são totalmente incompatíveis. Por não ter gostado da Jeane, mas sim do Michael, eu ficava o tempo todo 'cara, o que você está fazendo com essa menina?'. Eles não são bonitos juntos, porém, encontraram uma forma de fazer dar certo. O ponto de reflexão do livro fica a cargo da Jeane. Ela é uma pessoa solitária, já que sempre afasta as pessoas achando que o seu jeito diferente é melhor do que o dos outros. Até ela aprender que aquela velha máxima 'o ser humano não é um ilha', leva algumas na cara. Dessas lições eu gostei, principalmente, dos ligados a internet. Saber separar o real do virtual, e equilibrar essas duas vidas que a maioria tem, é muito complicado. E essa é uma das discussões centrais do livro.

O que eu acredito que muita gente vai gostar, principalmente os jovens, é da linguagem que autora utilizou no texto. Por se tratar de uma estória sobre adolescente e um dos personagens ser muito conhecido virtualmente, o jeito de narrar é super atual. Vocês vão encontrar expressões que a gente (sou brotinho u.u) usa a todo momento na internet. O interessante disso, é que o livro fica leve e direto, quase como se fosse uma conversa entre o leitor e a autora. A Jeane ser blogueira é outra coisa que vai atrair quem faz parte do meio, como eu. O blog dela é sobre um assunto diferente do que faço aqui no site, mas a paixão e a vontade que ela coloca nele é a mesma. O Adorkable é uma extensão dela e o melhor, ela conseguiu que isso se torna-se uma empresa e vive dela. Quem que tem blog e gostaria de viver dele levanta a mão? o//

A leitura desse livro foi rápida, acredito que mais pela forma como a estória se desenvolveu e a linguagem da autora. A estória central ser simples e o fato de não ter personagens secundários que se destaquem, também da uma fluidez ao enredo. Não foi um livro que eu cai de amores, e olha que eu até tinha uma expectativa grande em relação a ele por se tratar de algo mais perto da minha vida, mas deu para descontrair e passar o tempo. A protagonista me irritou um pouco, só que consegui passar por cima disso e ler até o fim. Aliás, o fim foi algo que me agradou bastante. Num determinado momento eu achei que as coisas não terminariam bem, mas a autora contornou isso e o final foi satisfatório. Livro recomendado para aliviar a mente apenas.

As pessoas têm tanto medo de dizer a verdade porque a verdade é caótica e complicada, e, decididamente, nada legal (...).
Os Adoráveis - Eles não têm medo de ser quem são...
Sarra Manning
Editora Novo Conceito - Twitter/Facebook

11 comentários:

  1. Hum, esse livro não chama a minha atenção... Não sei, mas é o estilo de história que não me atrai. A resenha ficou ótima, muito explicativa e bem escrita.

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Denise,

    Esse livro esta na minha lista de espera de leitura e ainda não sei o que esperar dela...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Quando você falou de linguagem eu lembrei só da Meg Cabot, estou lendo a série A Mediadora, e um dos pontos que faz você continuar com a leitura é a linguagem jovial, totalmente adolescente, mas mesmo quem não é se sente preso :)
    Adorei a resenha.

    Beijinhos :)
    http://clicandolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Hey
    Eu acho que essa leitura vai acabar me prendendo pelo blog, parece ser um ponto bacana de acompanhar.

    Parabéns pela resenha.

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  5. Eu achei super legal a capa do livro vi ela nao Bienal e tenho curiosidade em ler, ainda mais pela linguagem que deixa o livro mais dinâmico!
    bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  6. Capa meio bobinha, se é para odiar personagem eu não leio. Não costumo odiar nem vilão, imagina mocinha :S

    A única coisa que me interessou foi o fato dela ser blogueira e a linguagem rápida.
    Estou em fase livros leves e rápidos :D

    Abraços!
    postitandscrapbook.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Só de não terem medo de ser como são eu já gostei rsrs.
    Como sou eclética gosto tanto de livro com temas maduros quanto dos com temas jovens, dependo do meu momento, por isso creio que está seria uma leitura adorável.
    Beijos Denise :)

    Rafa Melody
    Twitter
    Facebook

    ResponderExcluir
  8. Esse livro está dividindo as opiniões, pois já li resenhas positivas e negativas.
    Talvez leia um dia...

    http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Essa capa ta podre e já não me chamou atenção, dps dessa sua resenha nem quero ler.

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Eu não tenho expectativas em relação a esse livro, porque ele não despertou meu interesse na época de seu lançamento, mas por sua resenha ele parece ser um ótimo passatempo, então quem sabe eu leia ele no futuro.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.