Resenha: Meu amor, meu bem, meu querido

03/09/2013


É verão no nordeste da cidade de Nine Mile Falls e Ruby McQueen, de 16 anos, comumente conhecida como A Garota Calada, está saindo com o maravilhoso, rico e louco por emoções Travis Becker. No entanto, Ruby está num beco sem saída e percebe que se arrisca cada vez mais quando está com Travis. Em um esforço para manter Ruby ocupada, sua mãe, Ann, a arrasta para o clube de leitura semanal que ela comanda. Quando descobrem que uma das criadoras do clube é a protagonista de uma trágica história de amor que estão lendo, Ann e Ruby planejam um encontro dos amantes de longa data. Contudo, para Ruby essa missão acaba sendo muito mais do que apenas uma viagem... 
Ruby sempre foi conhecida como a Garota Calada, aquela que não sai, não se diverte e só vê a vida passando. Então, quando o motoqueiro Travis para no jardim da casa de frente a sua, é como se um clique no seu cérebro tivesse sido acionado. Eles começam a se divertir de uma forma perigosa e que causa problemas a Ruby. Ela passa a não se reconhecer e questiona a influência dele em sua vida. Uma viagem para solucionar uma suspeita das Rainhas Caçarolas, parece ser exatamente o que ela precisa, ficar o mais longe possível de Travis. Nessa viagem, porém, ela descobre valores mais importantes do que a atração que sente por ele, e decide dar um rumo na sua vida de uma vez por todas.

Já inicio a resenha falando do ponto que mais me desagradou no livro, a protagonista e quem narra o livro, Ruby. Não consegui me conectar com ela e nem ver as suas atitudes com bons olhos. Ao contrário do outro livro da autora, Um lugar para ficar, onde a protagonista me conquistou, com esse, eu gostei mais dos personagens coadjuvantes. Acredito que isso se deu, pelas situações passadas por ela na narrativa, ou seja, os acontecimentos do outro livro são mais próximos de mim do que os que acontecem nesse. Um exemplo, Um lugar para ficar trata de um romance obsessivo e abusivo, enquanto Meu amor, meu bem, meu querido fala sobre uma adolescente se descobrindo e aprendendo com seus erros. O tipo de assunto abordado no primeiro pode acontecer com qualquer melhor em qualquer idade, o do segundo não, ele fala mais para as meninas de 16, 17 anos.

O tempo nesse enredo também é deficiente.Você inicia o livro achando que está no presente, mas alguns elementos me fizeram pensar que tudo acontece no passado, como se ela estivesse relembrando o verão em que o livro se passa. Eu estranhei a leitura no começo porque ele parecia um quebra-cabeça, com uma monte de situações jogadas e sem conexão. Leva um tempo para as coisas se encaixarem e você pegar o ritmo da escrita e da narrativa. Mesmo com poucas páginas a autora é descritiva, então ela narra como a Ruby se tornou a menina calada e outras situações que fazem parte das cenas principais antes delas acontecerem. Isso mais para situar o leitor.

Se tem pontos que eu não gostei, existem dois que me motivaram a continuar a leitura, a mãe da Ruby, Ann, e as Rainhas Caçarolas. O livro sendo narrado pela Ruby, é por ela que vemos a estória de seus pais. O pai abandonou a família para seguir a carreira de musico e de vez em quando volta para visitá-los e ficar com a Ann. A Ruby e o irmão já sabem como isso funciona, a mãe fica feliz com a vinda do pai, cheia de esperanças e expectativas, e quando ele vai embora, ela se despedaça. Eu fiquei pensativa com essa personagem. A espera dela, depois de tantos anos pelo amor de um homem que dá todos os sinais de que não a quer mais. É triste isso e muito real. Eu queria um final feliz para ela e fiquei aliviada com o que a autora deu.

Que fofura as Rainhas Caçarolas, apenas isso. Eles são um grupo de idosos que se reúnem uma vez na semana para discutir um livro, o famoso clube do livro, tudo isso supervisionado pela Ann. O grupo descobre um dia, que uma das idosas é uma personagem do livro que eles estão debatendo e começam a arquitetar um plano para que ela se encontre com o autor desse livro. A estória desses idosos é muito especial, pois a autora deu a vida e a mobilidade que a maioria deles desejam. Essa ideia implantada na nossa cabeça de que eles não podem e não querem fazer mais nada, do que ficar esperando a vida passar é um absurdo. Eles tem vontades, sentimentos e principalmente, opinião. Uma parte do livro é a voz desses idosos, são eles escrevendo as suas próprias vidas.

Eu não me apeguei a protagonista, mas encontrei outras estórias que me interessaram e me fizeram achar o livro bom. Ele não é excepcional e nem nada do tipo, só que me fez chorar em algumas partes e refletir em outras. O livro não possui uma linguagem complicada, ele flui bem e de maneira rápida, depois do estramento inicial com a narrativa. No fim dele, tem algo interessante, um roteiro para debate e algumas atividades que você pode fazer inspiradas no livro. O clube do livro talvez seja a que mais me agradou. Terminei de ler e fiquei pensando que seria muito bacana se tivesse um em Brasília. Quem sabe um dia, os leitores daqui não se aventurem nessa empreitada. Se alguém daqui estiver lendo e se animar, só entrar em contato.

Eu não tinha medo de nada, porque era isso o que ele queria de mim. Talvez fosse melhor eu ser quem ele queria do que quem eu pensava que era.
*O titulo enorme é justificado no enredo. 

Meu Amor, Meu Bem, Meu Querido - Será Que Um Verão Pode Mudar o Que Sabemos Sobre o Amor, a Família, o Destino e O Próprio Coração?
Deb Caletti
Editora Nova Conceito - Twitter/Facebook

13 comentários:

  1. Ainda não havia me interessado por esse livro, acho que vou dar uma chance, tive meu momento de "A garota calada" e acho que seria legal. Parece bem interessando tudo mudar assim do nada!
    Que pena que não tenha se apegado à protagonista, mas só por esse quote eu acho que também não me apegaria muito. Enfim, deixarei para tirar minhas conclusões depois de ler. Adorei sua resenha!
    Beijos;
    Leticia - ObsessionValley

    ResponderExcluir
  2. O livro é muito bom, o que parecia ser só mais uma historia adolescente, com uma calada se apaixonando pelo popular, vai muito mais além e nos consegue ir além, com a historia de amor de dois velhinhos. Além do aprendizado pelo qual Ruby teve que passar, de tanto julgar a mãe pelo comportamento que tinha com o pai, acaba fazendo o mesmo com o namorado. Todos os personagens tem algo para nos revelar, e amei Chip Jr.

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise,

    Da Deb eu li apenas Um Lugar Para Ficar, como não gostei muito nem cheguei a me animar para ler esse. No entanto, lendo sua resenha fiquei curioso pelo segmento dos idosos e pelo Clube. Também tenho uma mega vontade de participar de um grupo desses, pena que estou na Bahia e você em Brasília.
    Será que daria certo on line?
    Gostei do seu blog e já estou seguindo :-)

    Abraços,

    http://milvidasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bom?
    Passando para deixar um comentário rsrs
    Esse é um dos livros que eu mais quero ler :D
    Maravilhosa resenha !
    Beijos*-*
    Território das garotas
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Também não gostei desse livro e não consegui sentir nenhum encanto pela Ruby...ela é muitooo chata!
    O clube das Rainhas Caçarolas realmente foi a única motivação para eu também finalizar a leitura do livro.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  6. Eu li “Um lugar para ficar”, e apesar de não ter gostado tanto do livro, gostei da maneira como a autora conduziu a trama, por esse motivo e pelos pontos positivos destacados por você na resenha, tenho interesse de ler “Meu amor, meu bem, meu querido”.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Denise!
    Eu também não curti muito a protagonista do livro, mas também AMEI as Rainhas Caçarolas!
    Minha parte preferida do livro foi a viagem delas.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  8. mais uma história de menina-certinha se envolvendo com bad-boy. pior que é um clichê que eu detesto, acho muito novelinha, sabe? =/ Mega perdi o interesse!!

    Beijocas!
    http://nossosromancesadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Não me interessei muito pelo livro. Não me chamou a atenção esse clichê.
    A sua resenha está ótima!
    bjs

    http://entrepaginasesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Denise, eu sou louca pra ler esse livro, mas ultimamente minha vontade tem caido :( Gostei da resenha, mas vamos ver...

    Beijos, Ray Pereira
    http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. li esse livro em ingles, mas só achei bonzinho. confesso q esperava mais dele!

    http://www.lostgirlygirl.com

    bjos

    ResponderExcluir
  12. Não me interessei muito por esse livro desde que foi publicado...
    Pode até ser que leia algum dia, mas só por você ter dito que ele é voltado para um publico mais jovem eu acho que não vou gostar tanto...

    Beijos,
    Letícia - Literature Diary

    ResponderExcluir
  13. Tenho esse livro na estante e fico adiando a leitura.
    Odeio quando não me apego a protagonista de um livro.
    Beijos@!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.