Resenha: Dearly, Departed

13/08/2013


Ela é Nora Dearly, uma garota neovitoriana de 17 anos que sofre com a morte dos pais e vive infeliz aos cuidados da tia interesseira. Ele é Bram Griswold, um jovem soldado punk, corajoso, lindo, nobre...e morto! No ano de 2187, em meio a uma violenta guerra entre vitorianos e punks, surge um perigoso vírus, capaz de matar e trazer novamente à vida.

As pessoas tornam-se zumbis, mas nem todos são assassinos e devoradores de carne. Há os que lutam para que o vírus não se espalhe...

Apenas Nora tem o poder da cura em suas mãos, ou melhor, em, seu sangue. Ela não sabe disso, e corre perigo. É papel de Bram protegê-la...

Tem certos momentos na vida de uma leitora, que nos deparamos com livros que as palavras simplesmente não veem para resenhá-los, seja porque você não gostou de jeito nenhum e por isso não sabe o que dizer, ou seja porque você gostou demais e acha que não vai dar conta de colocar tudo o que sentiu para fora. Dearly, Departed se encaixa na opção dois, então me perdoem se ficou confuso, grande ou algo do tipo, mas fiz meu melhor. Tentei colocar para fora tudo o que senti com um dos livros mais loucos que já li e que entrou para a lista de favoritos sem uma explicação aparente, apenas pelo fato de que amei cada pedaço que li dele.

A narrativa acontece em primeira pessoa sobre cinco pontos de vista: Nora, Bram, Pamela, Victor e Wolfe. Nora é a protagonista, mesmo tendo outras pessoas que narram, e tem uma das personalidades que eu mais gosto em mocinhas, o sarcasmo e a força misturados com uma dose de romance. Ela não é chata e nem fica se fazendo de coitadinha o que já me fez ter empatia por ela logo de cara. A Pamela é a melhor amiga da Nora e uma personagem hilária, tem uma cena dela de desabafo que ri muito. Embora seja a sombra da protagonista, a Pamela tem um papel muito importante no enredo não só de dar força para a Nora, mas o de também fazer com que as coisas aconteçam, principalmente do meio para o fim do livro. Victor e Wolfe são personagens chave e por isso não vou comentar, então, fiquem curiosos.

Precisei de um paragrafo para falar do Bram porque o amor foi demais. É tão estranho pensar num zumbi como mocinho, mas acontece nesse livro. O Bram tem uma personalidade apaixonante e foi por isso que me encantei, assim como a Nora, já que a aparência dele não é lá das mais lindas. Eu explico melhor abaixo, mas ele tem várias cicatrizes de guerra, tem a palidez da morte, já que está morto, e outras características que não atrairia a maioria das mulheres. O que eu gostei mais, foi o quanto ele é doce no que se trata da Nora e na vontade de ser aceito por ela mesmo sendo um zumbi. Aqui acaba entrando outras questões trabalhadas no livro, como vai ser a parte física desse relacionamento. Ambos sabem que vai ser complicado, mas mesmo assim querem ficar juntos.

O livro é estruturado em duas situações, a Nora com os zumbis e a Pamela na cidade em que a narrativa se passa. Num certo momento da estória, Nova Londres é invadida pelos zumbis e a Pamela contando isso é de uma aflição sem tamanho. Imaginem-se na sua vida normal quando as pessoas começam a ficar doentes e de repente já ta tudo de quarentena e o povo fica desesperado, e quando você percebe já está matando zumbis para sobreviver. A coisa é por aí. Junto com a Nora nós vamos ter a maioria das explicações, e lidamos também com um vilão e com a volta de um personagem querido, fora os amigos do Bram que eu tenho certeza que quem ler, vai adorar. É um grupo e tanto, isso eu posso afirmar.

A autora foi muito inteligente ao vender a sua ideia, ela poderia ter usado esse primeiro livro para jogar todas as explicações e teorias e no segundo, ou nas continuações futuras, dar continuidade ao enredo. Porém, a Lia foi explicando tudo aos poucos, ela teve paciência na hora de revelar como o nosso mundo virou o mundo dela. O enredo se passa em 2187 e é ambientado no período vitoriano, ou seja, avançamos e retrocedemos ao mesmo tempo. Para explicar isso, por exemplo, ela espera que a Nora tenha um trabalho de história, no caso dos zumbis, ela espera a Nora e o Bram já se conhecerem. Então você é inserido ao poucos, é como se ela dissesse "vou começar com como o meu mundo surgiu, depois com os zumbis e agora que vocês já se acostumaram com eles, vamos começar o romance". No meio disso o enredo vai se desenvolvendo normalmente.

Ah gente, os zumbis são um caso a parte. O que está acontecendo que agora nós não queremos mais matar os zumbis e sim ficar com eles? Essa moda começou com Sangue Quente e continua em Dearly, Departed. Os zumbis no segundo são muito mais parecidos com os vivos. A autora explica isso direitinho o que não vou fazer e correr o risco de dar spoiler, mas o caso é que fora eles serem remendados, a maioria deles são como a gente. Essa diferença entre vivos e não vivos gera cenas engraçadíssimas, porque na maior parte do enredo a Nora tem contato com eles, então fica ela, viva, no meio deles, não vivos. Nesse gancho a autora aproveita e nos explica como é a "vida" dos zumbis, tem até uma frase da Nora que eu coloquei no twitter que é quando ela é mexe nas coisas do Bram e encontra as roupas intimas dele e pensa "zumbi usa cueca?". Nessas cenas paramos de pensar nele como zumbi e passamos a imaginá-lo como um garoto de 18 anos.

Eu sou daquelas que não gosta muito de adaptação cinematográfica pelo motivo que a maioria já sabe e provavelmente é contra também, mas com esse livro eu seria totalmente a favor. Eu não quero só imaginar o mundo que a Lia construiu eu quero ver, e a linguagem dele propicia isso. A leitura ia progredindo e os efeitos na minha cabeça conseguiam montar as cenas porque a autora dava essa opção com a sua escrita. Os zumbis são no estilo Frankenstein, pedaços de corpos podres e remendados. Uma amiga do Bram, a Cass, perdeu um pedaço do maxilar e no lugar foi colocado uma placa de metal, um dos médicos da base militar que eles ficam, o Samedi, tem a cabeça desgrudada do corpo e consegue andar e falar normalmente, apenas isso. Era esse tipo de situação que eu queria ver na telona.

Acredito que já esteja bom todos os detalhes e opiniões que dei sobre Dearly, Departed, mais do que isso só se eu contasse tudo para vocês e eu não quero isso, eu quero que vocês leiam e depois venham conversar comigo sobre o livro. É serio, eu precisa de mais gente que tenha lido para debater sobre ele, o que gostaram, o que não gostaram... o tipo de coisa que a gente faz quando fica empolgada. Estou no estilo de Legend, acho que vocês lembram, enfim. O segundo, Dearly, Beloved (meu precioso), acabou de ser lançado pela editora e em breve, eu espero, estará em minhas mãos. As estórias são sequências, mas o enredo do primeiro fecha nesse, deixando apenas a ideia do que vai acontecer no próximo e gente, vai ser punk.

-Você gostou?
-Sim. Você não imagina como seu gosto é bom. Não consigo nem começar a descrever.
-Bom? Bom como filé-mignon, ou como um doce?

Dearly, Departed - Gone With The Respiration - Livro 01
Lia Habel
Editora iD - Twitter/Facebook

10 comentários:

  1. O livro é tão bom assim, Denise? rs
    Eu fico muito feliz quando recebo e observo ótimas dicas de livro que ao menos para mim eram desconhecidos!!!
    Adorei sua resenha.

    Clicando Livros
    Abraço :)

    ResponderExcluir
  2. Nossa senhora, suas resenhas são sempre muito profundas, mas essa foi... uaaaaaaaaal!
    Só em você dizer que ficou sem palavras e esse quote do final já me falou muita coisa. Você já tinha me indicado, vou dar meus pulos aqui pra ver se consigo ele!

    Beijos, @_RayPereira
    http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise,

    Esse é mais um livro que fico conhecendo aqui no seu blog, parece interessante, mas não despertou muito interesse....abraços.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá.
    Nossa eu nem conhecia o livro...não sou tão fã de zumbis(desde quando não podemos matá-los ) rsrs mas me parece de que como a autora colocou é uma ótima forma ^^
    Acho que o problema também seria que pelo jeito ela explica muitos detalhes e as vezes não sou fã com isto em livros rsrs.
    A que pena que não pode falar a mais )= mas se quiser eu gostaria de um spoiler e entre em contato rsr.
    bjocas
    Tamires C.
    http://de-tudo-e-um-pouco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa Denise, pelo jeito o livro é bom mesmo.
    Fiquei curiosa pra ler cada parágrafo da sua resenha imagina se n qro ler esse livro?! N conhecia antes da sua resenha mas já o quero mt!
    Hehehehehehe
    Passar aqui é sempre uma perdição acabo sempre adicionando o livro à minha lista!


    Bjooooos

    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. "parte física". Oh. My. Você me deixou morrendo de vontade de ler o livro agora! As possibilidades...

    beijos,

    mentecaptosporlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Sabe não sou muito fã de zumbis, mas o seu entusiasmo escrevendo a resenha me deixou curiosa, para conhecer Bram e toda a sua estória com a Nora. Ótima resenha!!

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oieee e Uauuu que leitura e resenha intensaa!
    Agora fiquei muito curiosa lara ler e se o tivesse aqui já estaria fazendo isso para conversamos, rsrs, só que vai demorar para tê-lo :s
    Espero me sentir como vc quando tiver essa oportunidade.
    Beliscões carinhosos da Máh-
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  9. Oi Denise!
    Não devia ter lido sua resenha... Eu já era louca para ler esse livro, e agora você só me deixou com mais vontade.
    Vou ter que comprar! :P

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  10. Não imaginava que era tão bom. Como sempre a capa da ID linda, né? Fiquei curiosa com todas as coisas que acontecem no livro.

    Beijos,
    Carissa
    www.carissavieira.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.