Resenha Nacional: A última Nota

19/07/2013


Quando Alícia Mastropoulos se apresenta pela primeira vez como a principal violinista na Orquestra de sua Universidade, ela não tem ideia dos acontecimentos que este fato desencadeará. Decidida a tocar uma composição inédita deixada por seu falecido avô em vez da música programada, ela se emociona e erra a última nota, mas ninguém parece perceber.

No dia seguinte, recebe a notícia que um jovem desconhecido é encontrado no coreto próximo ao local da apresentação e levado para um hospital. Quando acorda, ele não se lembra de nada, apenas chama pelo nome dela. Ele, o belo e misterioso rapaz de olhos azuis, é exatamente o que Alícia precisa evitar. Porém, a aproximação entre os dois se torna inevitável quando ela descobre que sua avó, Cecília, tomando conhecimento do caso, hospedou-o e ainda lhe deu o nome de Sebastian. Preocupada, Alícia pede que sua avó o afaste de casa, antes que a situação traga problemas para sua família e para o seu namoro com Theo.

Percebendo a relutância da avó e incomodada com a proximidade cada vez maior de Sebastian, Alícia decide apressar o noivado com Theo, para a satisfação de seus pais, que veem com bons olhos um casamento entre duas famílias tradicionais gregas. Só que, aos poucos, ela começa a descobrir uma intensa atração pelo rapaz desconhecido, que a levará a entender, enfim, o mistério que o envolve, a resgatar histórias do passado e a tomar importantes decisões para o futuro.

A Última Nota é narrado em primeira pessoa pela personagem Alícia, uma jovem violonista que sempre teve a sua vida controlada pelos pais. O que estudar, quem namorar e o que fazer. Ela acatava tudo o que eles queriam até o dia da sua apresentação, quando ao tocar uma composição do seu avô e a última nota da música errada, sua vida muda para sempre. No outro dia ela se depara com um desconhecido sem memória, mas que chama por ela. Com medo do que isso possa representar, a primeira reação dela é se afastar. Só que sua avó decide ajudar o rapaz, agora de nome Sebastian, e isso os aproxima. Alícia vai começar a questionar sua vida e as escolhas que fez até esse momento.

A personagem Alícia começa o livro bem submissa, um pouco frágil e recatada. É de entender esse jeito dela, pois os pais, gregos, são muito fervorosos quanto ao modo dela agir e o que esperam do seu futuro. No meio do livro eu tive uma queda na empatia por ela, pois me irritou muito a forma como a Alícia lidava com a proximidade do Sebastian. De legal ela passou para mimada, chata e egoísta. Para falar a verdade, me arrastei um pouco nessa parte, já que é a Alícia quem narra a estória, não dá para simplesmente ignorá-la. O Sebastian me encantou desde o começo, não só pela aparência, mas por ser doce o tempo todo que está com a Alícia. 

Se no parágrafo de cima eu disse que não dá para ignorar a Alícia, pois é ela quem narra a estória, também não dá para não comentar sobre a importância do Sebastian. Por mais que ele seja um personagem até certo ponto distante, já que não sabemos o que ele pensa ou sente e o vemos pelos olhos dela, é ele quem faz as coisas acontecerem no livro. É como se a Alícia orbitasse em torno dele. Isso é até comentado no livro, quando ela percebe que a sua vida começa quando o conhece. Ela pode ser a protagonista e quem conta a estória para nós, mas sem ele, a narrativa não existiria e olha que ele nem tem uma construção tão detalhada assim.

Eu chorarei todas as suas lágrimas. E quero sorrir todos os seus sorrisos.

A família da Alícia é grega e muita dessa cultura foi adicionada ao livro. Razão essa de eu ter me lembrado tanto do filme O casamento Grego. Os pais da Alícia tem um restaurante, são rigorosos, as festas e comidas são as mesmas e ela se apaixona por alguém que não é grego, causando uma grande confusão. Eu me interesso por essa cultura, então achei um charme a mais o livro ter citado alguns costumes. A cena das flores, que acontece num casamento, e o seu significado foi o que eu mais gostei. As comidas também chamam a atenção e por mais diferentes que sejam, tem algumas explicações dos ingredientes para não ficarmos tão perdidos.

Os autores foram arriscados com esse livro, eles centraram tudo em uma trama só, ao contrario do que normalmente vemos. As estórias costumam ter uma trama central e várias secundárias, para prender o leitor caso ele não goste do enredo principal. É por isso que às vezes acontece de gostarmos do personagem secundário e ficarmos querendo saber o que acontece com ele. Só que em A última Nota, o livro gira apenas no Sebatian e na Alícia. Com tudo o que acontece não dá para se apegar aos outros personagens, até porque não tem muitos, e eles não tem uma estória tão longa e detalhada. Percebe-se que os autores investiram apenas na trama central e se esforçaram muito para que ela desse certo, como deu.

Embora eu tenha tido uma pequena desavença com a Alícia no meio do livro, eu dei 5 estrelas para ele no skoob e recomendo a leitura. A cadência da estória e a narrativa me fizeram ler ele em dois dias, coisa muito rara para mim. As capítulos curtos também contribuíram para que a leitura fluísse bem. Aliás, a estória tem bons pontos de reflexão sobre as escolhas que fazemos e o quanto deixamos que os outros interfiram na nossa vida. Romance tocante, bem estruturado, com personagens encantadores e uma estória que te prende desde o inicio, todos deveriam ler.

A vocação e a magia são filhas da perseverança. Quando você toca, você faz música. Quando você acredita, você faz magica.

A Última Nota
Felipe Colbert, Lu Piras
Editora Novo Século

14 comentários:

  1. AAAAAAAAAH Já quero ler! Nossa amando livros nacionais demais!

    Beijos, @_RayPereira
    http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas lembro que era só a capa e sinopse.
    Eu toco piano, violão e flauta. Sinceramente, não me vejo sem meus instrumentos. Somente toco para mim mesma, eles que me acalmam em muitos momentos (mas meus pais não me apoiam dizem que é perda de tempo, então aprendi tocar os três sozinhas ** ). Um dos motivos por eu querer ler o livro, é esse. O caso dela é o contrário do meu, mas não deixa de envolver a música.
    Estou ansiosa para conhecer o Sebastian e as mudanças que ele faz na vida Alícia :)

    Beijos.
    http://colorindodiariamente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Denise,

    Esse é um livro que tenho curiosidade de ler, gostei da temática dele e a capa é muito bela...parabéns pela sua resenha...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br


    ResponderExcluir
  4. Eu prefiro livros narrados em primeira pessoa, mas sem dúvida leria esse livro. É sempre bom ler livros que nos faça refletir.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  5. Quero muito ler esse livro, parece ser uma graça

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha lido uma resenha desse livro, mas gostei do enredo, então talvez eu leia, quando surgir uma oportunidade.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. É a primeira resenha desse livro que eu leio !

    Gostei bastante da sua resenha , e quanto ao livro, me pareceu bem interessante .
    Espero ter a oportunidade de lê-lo e poder ter minha própria opinião formada ;)

    Obrigado pela visita no meu blog ;)

    http://livroselivrosana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Bom esse é a primeira vez que vejo esse livro e tambem a primeira resenha que eu vejo ele.Achei bem legal,mais infelizmente não faz o tipo de genero que eu leio...
    Abraços,Rebeka!
    muchachoonline.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Eu tenha esse livro na minha lista há um tempão, mas nunca tinha reparado que era escrito por um autor nacional! Agora, fiquei ainda mais curiosa.

    Beijos,
    biblioteca-de-resenhas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pela resenha, Denise!

    Fico muito feliz ao receber os comentários dos meus livros e, em especial, quando percebo fundamento e envolvimento com a história. Obrigada pelo tempo que dedicou à Alícia e ao Sebastian, por ter se deixado conquistar pela história de A Última Nota. Fiquei muito feliz, pois valorizo muito a sua opinião.

    Um grande beijo!

    Lu

    ResponderExcluir
  11. Oie, prazer =)
    hum, tenho o livro, mas, ainda não o li, contudo creio que irei gostar e sua resenha só veio para confirmar isso, já sou apaixonada pela escrita da Piras, ainda não li nada do Colbert..
    Beliscões carinhosos da Máh-
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  12. Excelente resenha. Abs.
    www.almeidaemprosa.com.br

    ResponderExcluir
  13. Já sabe né De, que essa nossa quedinha por cultura grega é bem reciproca. Eu vi Casamento Grego, e também Falando Grego (mesma atriz) -este retrata o lugar, pontos turísticos. Desde que li a primeira resenha desse livro me encantei, por haver música e também por ser brasileiro, fiquei bem interessada em ler. Se ele já estava na minha lista de futuras compras, agora mais ainda pela cultura grega retratada na história.
    Bye da Pah
    Livros Estrelas

    ResponderExcluir
  14. Primeiro eu amei a capa, muito linda. Vendo como se passa a trama me deu muito mais vontade de ler.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.