Resenha: Calafrio - Os Lobos de Mercy Falls

18/06/2013


Quando chega o inverno, Grace é atraída pela presença familiar dos lobos que vivem no bosque atrás de sua casa. Ela espera ansiosamente pelo frio desde que fitou pela primeira vez os profundos olhos amarelos de um dos lobos e sobreviveu ao ataque de uma alcateia. Esses mesmos olhos brilhantes ela encontraria mais tarde em Sam, um rapaz que cresceu vivendo duas vidas: uma normal, sob o sol, e outra no inverno, quando vestia a pele do animal feroz que, certa vez, encontrou aquela garota sem medo. 

Tudo o que Sam deseja é que Grace o reconheça em sua forma humana, e para isso bastaria que trocassem um único olhar. Mas o tempo de Sam está acabando. Ele não sabe até quando manterá a dupla aparência e quando se tornará um lobo para sempre. Enquanto buscam uma maneira para torná-lo humano para sempre, têm de enfrentar a incompreensão da cidade, que vê nos lobos um perigo a ser combatido. 

Primeiro livro da série Os Lobos de Mercy Falls, Calafrio é a história de dois jovens que aceitam correr todos os riscos pelo amor, até mesmo o de deixarem de ser quem são. 
Calafrio é narrado em primeira pessoa pelos pontos de vistas da Grace e Sam, de forma alternada. A Grace foi atacada por lobos quando era uma criança, mas um lobo de olhos amarelos e profundos impediu que ela fosse morta. Depois disso ela passa a acompanhar a vida deles de perto, observando seu lobo e sendo observada de volta do bosque perto de sua casa. O que ela não imagina é que o lobo que ela observa é na verdade Sam e que durante o verão ele se transforma em homem, abandonado a sua pele de lobo. Em uma caçada contra os lobos, os caminhos de Sam e Grace se cruzam e a paixão que começou entre especies diferentes, tem a possibilidade de se tornar realidade.

Pode parecer estranho a Grace e o Sam se apaixonarem enquanto ele ainda é lobo, mas lendo a estória isso se torna irrelevante, já que é o Sam, homem, quem narra uma parte do livro. Você meio que pensa nele como sendo um homem impossibilitado de ficar com quem deseja, e não como um lobo. A Grace é uma menina madura para sua idade, já que os pais dela são mais como seus colegas, ela aprendeu desde cedo a se virar. É responsável e objetiva, enquanto Sam é um artista e possui a alma de um. Ele toca violão e transforma tudo em música, é doce e sensível. Daquele jeito fofa que todas as leitoras amam.

Os lobisomens criados pela autora não tem nada de espetacular. Ok, considerando que esse ser sobrenatural não tenha nada demais. Mas é que ficou tão natural e uma consequência lógica da doença dos lobos, que passa a ideia de que eles existem no mundo real. Como se fosse um vírus, você pega e a consequência é ficar doente. Aqui não tem nada como se transformar na lua cheia ou bala de prata e coisas do tipo, eles são tratados como uma doença sem cura. Que quando está frio essa doença transforma eles em lobos e quando esta quente, transforma eles em humanos. A luta da Grace e Sam é que quanto mais o tempo passa, menos vezes você se torna humano, até que fica lobo para sempre.

Foi então que a verdade me atingiu em cheio. Lá estava eu, na cama, com um rapaz que mudava de forma. Não apenas qualquer rapaz que mudava de forma, mas o meu lobo.

O que as pessoas mais estranham na escrita da Maggie é o quão poética ela é. As palavras são escolhidas com cuidado e isso fica perceptível nas cenas entre a Grace e o Sam. Os diálogos e a narração meio que rimam, só que isso não deixa de nenhuma forma o texto mais cansativo ou difícil de entender, me dá a impressão de riqueza, de uma estória bem contada e construída. Além da poesia, esse livro tem um tom melancólico, principalmente por causa do tempo e o lugar que a narrativa se passa. Os lobos aparecem apenas no inverno e por isso a Grace passa o ano esperando essa estação chegar e ela já é naturalmente mais introspectiva, o que passa para a estória. O fato dos protagonistas serem mais isolados também da essa sensação de tristeza em algumas partes.

Um aspecto interessante nessa serie é a construção do romance. Os livros recentes de sobrenatural que envolvem romance são sempre extremos, com personagens beirando a obsessão e com Calafrio é diferente. O amor entre o Sam e a Grace é mais sóbrio, calmo e maduro, mas sem ser chato. Entra aqui um tipo diferente de jovem, eles são independentes e pé no chão, amáveis e amorosos sim, mas com cautela. As mulheres que sempre sobressaem nos sentimentos como sendo mais abertas e receptivas, não acontece aqui, quem usa as calças da relação é a Grace. O Sam é o mais emotivo e mesmo tímido, deixa transparecer o que sente, ao contrario de Grace que é bem difícil de ler.

Já tem um tempo que eu ando bem interessada em lobos, e essa é uma das minhas séries favoritas, e olha que li apenas o primeiro. Sou apaixonada pelo enredo, personagens e no como a escrita da autora me envolve. A narrativa não tem pontas soltas e o que é proposto nesse primeiro é concluído, o final apenas deixa aquela ideia de como o segundo começará. Segundo este que já tenho e lerei muito em breve, quero ver se termino a serie este ano. A Maggie é uma autora pouco conhecida, mas que merece uma chance junto com os leitores brasileiros. Seus livros tem romance, aventura e sobrenatural na medida certa, sem faltar demais em algo ou exceder demais em outro.

Eu tinha encontrado o paraíso e me agarrava a ele tão apertado quanto podia, mas ele se desfazia, um fio muito frágil escorregando entre meus dedos, fino demais para que eu pudesse segurá-lo.

Calafrio - Os Lobos de Mercy Falls - Livro 1
Maggie Stiefvater
Editora Agir

6 comentários:

  1. Olá Denise,

    Mais livro que fico conhecendo aqui no seu blog...achei interessante e gostei da capa...boa dica e parabéns pela sua resenha...abraços.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br


    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse livro
    Mas parece ser bastante interessante

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu vi que você falou desse livro no seu vídeo, mas não fui procurar... Depois fala mais dele pra mim que quero ver se compro!
    Beijos

    @_RayPereira
    http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Já tinha lido uma resenha desse livro, e apesar de não gostar da capa o enredo me deixou com vontade de lê-lo.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Caramba, fico feliz que tenha gostado tanto do livro, realmente LOBOS é uma literatura pouco explorada, o que sempre é cuidadosa a leitura, pois quase não há livro sobre.
    Mas fiquei curiosa pelo livro.
    http://clicandolivros.blogspot.com.br/
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  6. Eu me apaixonei por esse livro, a maggie é um doce nas palavras escolhidas, e a narração do Sam, com certeza é uma das melhores partes do livro!
    bjs
    x
    http://divergentvote.blogspot.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.