Resenha de Ouro: O grande Gatsby

21/05/2013


Obra-prima de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald é original e grandioso ao narrar a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. 

Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece - Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente
O livro possui a estória principal envolvendo o Tom, Daisy e Gatsby e a estória de Nick, o narrador. Pela sinopse vocês já entendem que a narrativa é um triangulo amoroso acompanhado de fora, pelo primo de Daisy. Nenhum dos personagens tem a sua personalidade ou aparência física detalhada, além do Gatsby que é o foco do enredo. Do Tom, sabemos que ele é arrogante e prepotente, a Daisy é fútil e daquele tipo de personagem que não gosto, do que ouve e fala apenas o que lhe convém. O Gatsby será um mistério até a metade do livo mais ou menos, depois descobrimos de onde ele é e porque fez o que fez.

Meu primeiro desagrado em relação ao enredo foi quanto ao narrador. O personagem Nick conta e participa da estória, ou seja, narrador personagem. Para mim, este é um dos piores narradores que existem, pois além de divagar muito sobre si mesmo, que muitas vezes não tem nada a ver com a estória principal, ele não acompanha tudo o que acontece. Ele observa e estória de fora, contando apenas uma parte dela e deixando assim, muitos fatos sem explicação.

A cenas são da seguinte forma: Daisy e Tom entrando para o quarto e conversando e o Nick ,e você, de fora dela sem saber o que acontece, ou o Gatsby entrando no seu escritório para atender um telefonema importante e o Nick, e você, não sabendo com quem ou sobre o quê foi dito. Entendem o que eu quero dizer? A estória não tem detalhamento, tem apenas conclusões bruscas do que houve. Este tipo de narrador é comum neste seculo, pois os autores afirmam que como nós não sabemos tudo o que acontece na vida real, é natural que seus narradores, logo leitores, não saibam e com isso, tenham apenas uma parte da narrativa.

O livro é triste, muito triste. O sonho americano é uma ilusão retratada em cada paragrafo deste livro. A ganancia por ter amor através do dinheiro e no fim perceber que não valeu a pena também exala dele. O Gatsby é o personagem que salva o enredo pela sua paixão e solidão, mas que pode causar certo desconforto pelo seu passado. A narrativa embora curta e truncada, não possui palavras difíceis, ela só é pouco imaginativa pela falta de detalhes. O título tem tudo a ver como enredo e você entende melhor quando tem a cena da primeira festa, que o Nick vai na casa do Gatsby.

Se o personagem que da nome ao livro eu gostei o seu objeto de amor eu detestei, ela é uma personagem superficial e dúbia, desprovida de qualquer sentimento. Ok, eu exagerei um pouco, mas ela não é flor que se cheire. No debate da faculdade eu até cheguei a comentar que ela é versão americana e do séc. XX da Cathy, personagem do livro O morro dos ventos Uivantes da Emily Bronte. E sim, ela me lembrou, mesmo que vagamente, essa personagem e quem já leu vai ter uma ideia do que esperar.

Como fã do Leonardo DiCaprio, assim que soube que ele faria uma nova adaptação deste livro, corri para o sebo e comprei está edição antiga de O grande Gatsby. Confesso que não sabia que este livro existia e nem quem era o Fitzgerald, minha vontade de lê-lo se resumia a isto. No começo deste semestre, eu comecei a me iterar sobre literatura americana do séc. XX na faculdade e eis que este livro foi escolhido pela professora para ser analisado.

Eu estava esperando o debate que tivemos por lá para fazer a resenha, por desencargo de consciência e ver se estava sendo dura demais por ter gostado tão pouco dele. Os argumentos foram bons, mas reitero a minha opinião de que o enredo tem buracos grandes e feios e que só li por causa do filme. E outra, agora a minha expectativa em relação ao filme está bem maior, pois ele tem a possibilidade de em casos raros, ser melhor que o livro.

Todas as pessoas pensam da mesma maneira, mesmo as pessoas mais evoluídas.
O grande Gatsby
F. Scott Fitzgerald
Editora Record/Altaya

9 comentários:

  1. Faz tempo que quero ler e a adaptação só fez minha vontade aumentar, mas ainda não consegui.

    Parece um livro interessante, apesar dos personagens irritantes.

    Beijos,
    Carissa
    www.carissavieira.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, tudo bem?

    Ignore a doida aqui que não sabia que não associou o filme ao livro Gatsby! Sinceramente não sei o que pensar do livro, mas imagino que seja uma leitura um pouco pesada e até reflexiva, ainda mais por se tratar de um clássico, né? Até leria um livro desses, mas em outro momento, em que eu tivesse tempo de ler com calma e tal =P

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olha como uma coisa leva a outra, rsrs.
    Eu não conhecia o livro, mas por acharmos que um livro do século XX possa parecer chato e antiquado, nos deparamos com a sua resenha, totalmente contraditória para uma imaginação de senso comum. Me conquistou!
    http://clicandolivros.blogspot.com.br/
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esse livro
    Mas no momento, não me chamou muita atenção

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu já não tinha muito interesse em ler esse livro e após ler a sua resenha eu descartei totalmente. Pretendo assistir apenas ao filme, porque sou fã de Leonardo DiCaprio.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Denise,

    Li e resenhei esse livro no blog, gostei bastante...mas achei que a leitura não flui muito e para muitos isso desanima....parabéns pela sua resenha...abçs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Tive que ler este livro pro meu curso de inglês, e ODIEI! Pra falar a verdade, não consegui passar do quarto capítulo, e olha que tinha que fazer prova sobre ele.
    Beijos
    fromafallenangelsheart.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Deh... fui lendo sua resenha e lembrando de O Morro dos Ventos Uivantes e eis que você citou o próprio! ;) Mas o que me aludiu a ele foi o fato de ter um narrador na história de um triangulo amoroso, porém o que os difere é que a narradora do Morro conta a história em tempo real, como se estivesse acontecendo naquele momento os fatos. Quando leio livros assim, a vontade de saber a visão dos personagens é tão grande... Livros escritos nessas épocas sempre têm isso de dinheiro, poder, interesses... e a infelicidade de quem se deixou levar pela ganancia, ou pelo medo de lutar contra as imposições. Muito bom! Louvável sua iniciativa de esperar o debate pra depois fazer a resenha, te dando assim mais "conhecimento de causa" Parabéns!

    Bye da Pah
    Livros Estrelas

    ResponderExcluir
  9. Oi! Acabei de resenhar O Grande Gatsby no meu blog e citei você, espero que não se incomode. http://www.milalices.com.br/2013/06/gatsby-perguntou-daisy-que-gatsby.html

    Concordo com você em cada ponto, mas ainda não sei se gostei ou não do livro. Quero ver o filme e reler o livro para tentar ver de outra forma.

    Beijo!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.