Resenha Hot: Dália Azul

16/04/2013



Stella Rothchild tem compulsão por planejar tudo em sua vida, o que, segundo ela própria, a mantém longe de imprevistos. Quando se apaixona perdidamente, o leitor verá a luta dela para evitar ir contra tudo que sempre defendeu. O livro começa com a morte repentina do marido da protagonista e sua mudança, com os dois filhos, de Michigan para Memphis. Ela vai morar na misteriosa Harper House onde trabalhará como responsável pelo famoso e enorme viveiro de plantas. Na mansão centenária, mora a severa Roz Harper e também a assombração da Noiva Harper, que anda pelos corredores cantando canções de ninar. Depois de um período de luto, Stella reencontra a felicidade em sua nova casa e seu trabalho, e descobre em Roz uma ótima amiga. Quem também fará parte de sua vida é o designer Logan Kitridge, que ela odeia no primeiro momento, pois é a sua antítese: vive no caos, é impulsivo e não planeja o futuro. Com o tempo, a tensão torna-se admiração e amor. O único problema: a Noiva Harper não suporta a felicidade alheia. Dália Azul traz um mistério bem elaborado, aliado a personagens que agradarão demais os leitores. Ao longo da trama, apenas pequenos detalhes da Noiva Harper são divulgados, deixando a história ainda mais instigante. 

Dália Azul é o primeiro volume da trilogia das floras da autora Nora Roberts. Escrito em terceira pessoa, o livro apresenta os pontos de vista de mais de quatro personagens, porém, os que mais narram são Stella e Logan, casal protagonista. Stella volta para o sul dos Estados Unidos com a esperança de conseguir o emprego dos sonhos, gerenciar o viveiro da famosa Roz Harper. Quando consegue o emprego, Stella se muda para a casa da proprietária com seus dois filhos e lá conhece Logan, um dos melhores paisagistas que ela já teve a oportunidade de conhecer. A principio ela não queria se envolver com outro homem, mas Logan com seu jeito autoritário e atencioso ao mesmo tempo, derruba as suas defesas e se infiltra em sua coração com erva daninha.

A construção do romance entre a Stella e o Logan me agradou muito. Ambos possuem uma bagagem, ela tem dois filhos e perdeu o marido em um acidente de avião e ele também já foi casado, mas os dois possuem aquela vontade de ser feliz velada pelo medo. Nem um deles quer dar o braço a torcer de que encontrou alguém em quem podem confiar. As coisas entre eles caminham aos poucos por causa das feridas e isso deixa tudo bem mais natural. Classifico o livro como hot apenas para que saibam que existe uma ou outra cena que remete a sexo, mas é tão sutil, que eu não ficaria espantada se a maioria nem percebesse. Foi escrito do jeito que gosto, como a extensão do amor.

O único ponto que não gostei foi o ar sobrenatural dele. A Noiva Harper, fantasma que assombra a casa/viveiro, persegue algumas pessoas em particular e no decorrer da narrativa nós sabemos o porquê. O mistério dela é uma estória a parte que envolve não só o casal protagonista, mas outros personagens que aparecerão nos outros livros da trilogia. O fato de eu não ter gostado dessa trama foi porque achei desnecessário. Ela existir ou não, não acrescenta algo na narrativa, acredito até que tenha forçado uma situação em especial entre a Stella e o Logan, que vinham construído seu relacionamento aos poucos. Sem esse fator sobrenatural o romance teria ficado bem mais real.

Com nomes de flores nos títulos, ele não poderia não tê-las na estória. Além dele se passar em um viveiro, as três personagens que serão temas da trilogia tem uma ligação direta com a flor do seu livro. Ela não foi escolhida ao acaso. Fora a Stella ser uma das gerentes da Haper House, o Logan, é paisagista, o filho da Roz é um especialista em cultivo e assim por diante. É até interessante saber que a Nora gosta tanto de plantas, ela diz isso na abertura do livro, e que o livro tem um pouco dela também. Quem ler o livro vai ficar sabendo um pouquinho mais sobre o cultivo de algumas plantas, ornamentação e outros detalhes referentes ao assunto. A pesquisa sobre isso se mostra bem argumentada.

Não sou uma conhecedora de livros da Nora Roberts, como disse em outra resenha dela por aqui. Esse é apenas o segundo livro dela que leio, e embora não tenha gostado do primeiro por achar sem profundidade e rápido, com Dália Azul foi completamente o oposto. Senti que esse é um livro bem estruturado com seus personagens ricos psicologicamente e o enredo amarrado. O que percebi foi que a autora soube escrever um romance que te prende pelo casal, pelas estórias paralelas e pela flores. Estou ansiosa para ler os outros dois livros da trilogia, já introduzidos em Dália Azul. Para finalizar, digo apenas que a fama dela se faz merecedora com livros como este.

Plantar uma flor é como abrir um livro, porque, em ambos os casos, estamos começando qualquer coisa. E o nosso jardim é a nossa biblioteca.

Dália Azul - Trilogia das Flores - Livro 01
Nora Roberts
Editora Bertrand Brasil

4 comentários:

  1. Até me assustei com esse hot, pois já li outros livros da Nora e não é comum cenas hots. Ela faz alusão ao sexo, mas bem sutil, sem comprometer a trama.

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise,
    Já tinha lido alguns comentários sobre essa série, e tenho vontade de lê-la um dia.
    Com relação à parte sobrenatural do enredo, acredito que ela será mais desenvolvida nos próximos livros da série.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada da autora
    Mas falam muito bem
    E esse livro parece ser ótimo

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Primeiro, tenho que dizer que a capa do livro é linda. Não sou muito fã de romances, mas como este tem mistérios e tal, talvez leia um dia. A autora é muito boa, li a Trilogia do Círculo e gostei bastante, nessa, as cenas de sexo são mais explícitas, pelo menos eu achei.

    Beijos
    http://fromafallenangelsheart.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.