Resenha de Ouro: Orgulho e Preconceito

10/08/2012



Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso, mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína — recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu. 

Como foi difícil começar a escrever essa resenha, tantas coisas para escrever e analisar... Orgulho e Preconceito é apenas o meu livro favorito entre todos e o qual eu sempre releio. E falar sobre ele é complicado exatamente por isso, é o meu favorito e nada estará bom o suficiente para ele, mas vou tentar.

Eu seria a primeira a fechar os olhos ao seu orgulho, se ele não tivesse ferido o meu.

Resumindo de forma bem simples, Orgulho e Preconceito narra a estória de um casal, a princípio opostos, mas que no decorrer descobrem afinidades, esse casal se chama Elizabeth e Mr. Darcy. A época em que o livro se passa é Londres séc. 18 e nesse período era muito comum os casamentos por conveniências, assegurar um futuro melhor para suas filhas. Uma das irmãs de Lizzy, Jane, se apaixona pelo amigo de Mr. Darcy, Mr. Bingley, começando ai, uma amizade forçada entre eles e despertando na mãe a vontade em casá-los, já que o Mr. Bingley é muito rico. É nessa convivência forçada que os sentimentos vão nascer entre Lizzy e Mr. Darcy.

O livro é narrado em terceira pessoa, e acompanha mais a protagonista Lizzy. Porém sabemos o que acontece com Mr. Darcy e notamos quando os sentimentos dele para com ela mudam. A Lizzy é mais cabeça dura, e centrada. Mudar a opinião dela só se os argumentos forem muito fortes. Mr. Darcy já é mais esnobe, intelectual. Ao ler você fica meio receosa quanto ao Darcy, achando que na verdade ele é o vilão da estória, mas da metade para o final isso muda. Eles formam um casal lindo e arrancam suspiros de quase todas as que leem o livro.

Assim como a maioria dos clássicos, principalmente os escritos por mulheres, Orgulho e Preconceito é bem detalhista. E se você ainda não leu nada da Jane, não perca a paciência e continue lendo. Os cenários, as roupas, os sentimentos, as conversas... tudo vai ser minunciosamente escrito. Tenham em mente o imenso tempo ocioso que a Jane, o que proporcinou em livros extensos. Inclusive a falta de atividades da mulher naquela época é criticada pela própria autora em Orgulho e Preconceito.

Em vão tenho lutado comigo mesmo; nada consegui. Meus sentimentos não podem ser reprimidos e preciso que me permita dizer-lhe que eu a admiro e a amo ardentemente.

De todos os aspectos relevantes na obra, fica a minha atenção especial a dois pontos: o casal protagonista singular e como as aparências são trabalhadas. Esses dois  pontos estão ligados, já que as aparências criaram julgamentos de um para com o outro. Elizabeth e Darcy são mocinhos incomuns para a época, só não trago para os dias de hoje pois cada vez mais o padrão tem sido modificado, mas até algum tempo atrás, a mocinha não atratativa não era vista com bons olhos e o mesmo acontece com o mocinho.

O enredo mais comum era os dois serem lindos e destinados a ficarem juntos logo de cara, mas Jane Austen muda isso completamente. Não só eles não estão destinados a ficarem juntos no começo, como se odeiam, tem antipatia um pelo outro, principalmente a Elizabeth. Por meio de pré-julgmentos, eles imaginam como o outro era e se baseiam nisso na hora de tomar suas decisões. É ai que o outro aspecto entra, o julgar pelas aperências, ver a casca e afirmar o que tem no conteúdo. Os dois estão incrivelmente errados, ambos foram orgulhosos e preconceituosos e tiveram que perceber isso de uma forma dura, mas que no final valeu a pena.

O que tornou esse livro grande foi a capacidade da Jane em escrever sobre personagens reais e complexos atemporais, acrescido de assuntos que vão acontecer sempre. Independente da época, o leitor vai ler esse livro e se identificar com algo, refletir sobre algum aspecto trabalhado nele e se emocionar. Uma opinião bem pessoal minha, o que acho sensacional nesse livro é a forma como o romance foi escrito, ele é leve, puro e singelo. É demontrado de outras formas que não a física. É na verdade a descoberta que o amor é muito maior do que a famosa química, que embora importante, não é tudo. Recomendo de verdade.

Há poucas pessoas que eu ame de verdade, e menos pessoas ainda de que eu tenha boa opinião. Quanto mais conheço o mundo, mais me sinto insatisfeita com ele; e a cada dia se confirma minha crença na incoerência de toda personalidade humana, e na pouca confiança que podemos depositar na aparência de mérito ou razão.

Orgulho e Preconceito
Jane Austen
Editora Martin Claret

13 comentários:

  1. Já li esse livro, e é realmente muito bom. Um romance puro, que nem beijo tem, mas que consegue ser bela.
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ele também é meu livro preferido de todos os tempos. Nada se igualará a ele, embora muitos me encantem.
    Acho muito difícil escrever sobre algo que gosto muito também.

    Bom fim de semana
    liliescreve.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li o livro
    Só assisti ao filme e gostei bastante
    Agora quero muito ler e conhecer melhor a estoria

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Queria muito ler esse livro, mas falta-me tempo tanto para ele quanto para todas as outras obras de Jane Austen. Ele é maravilhosa!

    ResponderExcluir
  5. Oi Denise!!
    Ainda não tive a oportunidade de ler o livro e é que tenho ele em casa..rsrs..mas adoro os filmes baseados nas estórias de Jane Austen, orgulho e preconceito é um dos meus favoritos! Ainda quero ler o livro mas como já assisti o filme se torna meio que previsível, eu que o livro sempre tem mais detalhes mas tem tanta coisa nova pra ler que fico adiando essas leituras.

    A resenha ficou linda!
    Beijos
    Amanda
    leiturahot.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. nem gosto de romances, mas eu curti o filme... deveria ler o livro...

    ResponderExcluir
  7. Jane Austen é fabulosa,ela foi uma escritora e tanto.Gostei do post,ficou bem articulado...Parabéns!

    Bruno
    http://oexploradorcultural.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Já li esse livro e já assisti ao filme, e considero essa obra de Jane Austen formidável.
    *bye*

    Louca por Romances

    ResponderExcluir
  9. Oii Denise!
    Acredita que nunca li esse livro, nunca vi filme e pra completar a minha trágica ópera, nunca li NENHUM clássico? hahaha... Mas tenho certeza que se tiver que pegar um, vai ser Orgulho e Preconceito, com certeza, ainda mais depois da sua resenha! Amei mesmo! Me despertou muita vontade de ler *-* E já suspiro por Mr. Darcy, os 'mocinhos' meio vilões são os que mais gosto, hahaha <3

    Beijos, Nanda
    Julgue pela Capa

    ResponderExcluir
  10. Interessante o nome do livro, o assunto abordado deve ser ótimo.
    Uma ótima semana. bj
    by: Veve Pink
    Portal Pattys

    ResponderExcluir
  11. Acho esse um livro fascinante especialmente pelos personagens...

    ResponderExcluir
  12. Sempre me interessei em ler o livro, mas por incrivel que pareça nunca consegui um exemplar, nem na biblioteca da escola muito menos na municipal =/
    Mas, ainda estou á procura haha.
    Amei a resenha, o livro parece ser fabuloso *-*
    Beijos
    Mah
    http://sessaodas10.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Amei o jeito que falou sobre " Orgulho e Preconceito"
    ele também é um dos meus romances preferidos...Ate fiz um postagem no meu blog > http://clichesicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.