Resenha Nacional: Nas entrelinhas do horizonte

06/08/2012


O mundo é ímpar, não dá para dividi-lo em duas metades iguais. Muito menos ver a linha imaginária que separa a infância da vida adulta. Contemplando o horizonte embalado pela trilha sonora que o tornou um dos ícones do rock brasileiro, Humberto Gessinger lança seu novo livro, intitulado Nas entrelinhas do horizonte, que chega às livrarias de todo o Brasil dia 7 de maio. 

Gessinger recorre à memória afetiva para construir crônicas pulsantes e arrebatadoras, em que cada página é uma janela onde passado, presente e futuro se misturam para compor juntos a cena. Uma paisagem que só pelas entrelinhas revela a força da sua música e da sua poesia, por meio de lembranças da infância e da vida adulta, momentos em que deixou e voltou a ser criança, como quando a bola de futebol parou embaixo de um carro e uma descoberta desconcertante aconteceu. Em As entrelinhas do horizonte Gessinger transforma a crônica em música e poesia para falar de sentimentos. 

Bom, eu não sou muito fã de crônicas, porque são as expressões diretas do autor. É ele falando com o leitor sobre o assunto que ele quiser. Isso é sobre esse livro em específico, já que temos vários estilos de crônicas. Nas entrelinhas do horizonte é o Humberto nos contados alguns fatos da sua vida ou falando sobre assuntos do cotidiano, é o que ele pensa, é o que ele sente.

E com opiniões tão fortes e estruturadas, eu concordei com algumas e discordei de outras. Algo que não se pode negar é que ele escreve muito bem, utiliza palavras simples e suas ideias são claras e com argumentos. No começo dos textos temos alguns poemas que às vezes parecem até letras de músicas. Elas combinaram perfeitamente com cada crônica.

Por ser músico, não teria como ela ficar de fora de muitos dos seus texto. A referência de artistas dele é ótima e as crônicas sobre esse assunto são as com mais propriedade. Ele explica qual a sua relação com ela e fatos engraçados também a envolvendo e ah, a evolução tecnológica também é falada. A transição entre LP, fita e assim vai. Gostei de me ver em alguns aspectos do texto, essa transformação musical também é da minha época.

O melhor computador é de quem tem as melhores ideias. Não adianta entulhar as fotos de filtros bacaninhas que envelhecem e embelezam "naturalmente" a imagem. Nenhuma maquiagem esconte a falta de conteudo.

De todas as crônicas, a que gostei mais se chama Efeito Manada. Nela o Humberto comenta sobre a influência que algumas mídias, marcas e etc tem sobre as pessoas. Concordo completamente quando ele diz que essa hegemonia visa só o lucro para uma das partes, essa concepção de que o melhor é o que é empurrado por alguma revista, programa ou novela é só ilusão. Quem define o que é melhor, independente do que seja, sempre será você.

Só ressaltar um fato curioso e que nunca não tinha me atentado. O autor aponta um dado interessante, o que a idade da pessoa revela sobre ela. No caso ele tem 48 anos e só com esses dois números da para dizer por quais presidentes ele passo, movimentos musicais e literários, guerras, catástofes e mais uma infinidade de coisas. Fique pensando que eu com meus 24 passei por muitas coisas também, boa e ruins.

E por fim, comentarei sobre a parte gráfica do livro. Se você ainda não o pegou para ver, vai se surpreender. As páginas possuem uma textura diferente e alternam entre amarelas e pretas assim como as letras. No final temos várias fotos do Humberto incluindo a parte interna das orelhas. Trabalho fantástico, que gostei muito.

Bons fones, se possível. Boa música, sempre!

Nas entrelinhas do horizonte 
Humberto Gessinger
Editora Belas Letras

6 comentários:

  1. A capa não é das melhores, mas o livro parece ser realmente ótimo!

    Um beijo,
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  2. Eu ameiiiiiiii este livro!! É um dos meus preferidos. Adorei que você o tenha resenhado!!!

    Bjkas

    ResponderExcluir
  3. Caramba, eu preciso desse livro, como assim eu nunca tinha ouvido falar dele? O conteúdo que ele traz parece ser extremamente interessante. Adorei.

    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  4. Estou com esse livro aqui há um tempo, mas ainda não tinha ficado com vontade de lê-lo. Agora eu estou PRECISANDO ler. Acho que vou passar na frente na minha lista de leitura.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  5. Oi Denise!
    Eu li outro livro do Humberto, "Mapas do acaso", e adorei!
    Parece que ele repetiu o ótimo trabalho nesse, assim como a Belas Letras com a diagramação.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  6. Realmente, a capa não é muito legal. Mas parece mesmo ser um bom livro!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.