Lançamentos: Branca de Neve tem que morrer e Kaori e o Samurai Sem Braço

08/08/2012


O clássico da Branca de Neve esse ano está em alta, de muitas maneiras, e ao que parece Branca de Neve tem que morrer do autor Nele Neuhaus é a sua versão do conto de fadas. Confiram o primeiro capítulo aqui do lançamento da editora Jangada.


Título: Branca de Neve tem que morrer
Autor(es): Nele Neuhaus
Assunto: Ficção
ISBN: 978-85-64850-14-9
Idioma: Português
Tipo de Capa: Brochura
Edição: 1ª edição - 08/2012
Número de Páginas: 472

Numa noite chuvosa de novembro, Rita Cramer é empurrada de uma passarela e cai em cima de um carro em movimento. Pia e Bodenstein, da delegacia de homicídios, têm um suspeito: Manfred Wagner. Onze anos antes, a filha de Manfred desaparecera, sem deixar pistas, e um processo baseado em provas circunstanciais condenou Tobias, filho de Rita Cramer, a dez anos de prisão. Logo após cumprir a pena, Tobias retorna à sua cidade natal e, repentinamente, outra garota desaparece. Os acontecimentos do passado parecem repetir-se de maneira funesta. Pia e Bodenstein se deparam com um muro de silêncio. As investigações transformam-se numa corrida contra o tempo, iniciando uma verdadeira caça às bruxas. 

***

Depois do sucesso Kaori: Perfume de Vampira e Kaori 2: Coração de Vampira, a Giz Editorial lança na bienal de São Paulo o livro Kaori e o Samurai Sem Braço da autora Giulia Moon.


Lançamento:
Dia: 18/08/2012
Hora: 18 horas
Local: stand Giz Editorial, M-79, 22ª. Bienal do Livro de São Paulo


Sinopse:

Março de 2011, Brasil. Uma bela vampira, Kaori, procura confortar seu amigo Takezo, que sofre com as notícias alarmantes sobre o tsunami que devastou o Japão, sua terra natal. As lembranças de outra catástrofe semelhante do passado levam Kaori a recordar o ano de 1782, quando conheceu um certo samurai sem braço: Migitê-no-Kitarô, um exterminador de monstros.

Kaori narra ao amigo as aventuras eletrizantes que viveu junto com Migite-no-Kitarô e a sua fiel companheira Omitsu, a mulher-raposa, enfrentando demônios e espectros do folclore japonês. O objetivo do trio é exterminar um terrível monstro devorador de almas, mas essa missão os levará ao mais arriscado dos confrontos: o desafio de enfrentar a si mesmo, às próprias fraquezas e arrependimentos, numa luta de vida ou morte!


 Sobre o livro:

- Faz parte da série de livros da vampira Kaori, que vem obtendo sucesso de público desde o lançamento do primeiro volume, Kaori: Perfume de Vampira (Giz Editorial, 2009). Seguiu-se a publicação de Kaori 2: Coração de Vampira (Giz Editorial, 2011) e, agora, chega Kaori e o Samurai Sem Braço.

- O livro não faz parte do arco principal da série. É um prequel do Kaori 2: Coração de Vampira. Conta como alguns personagens se conheceram há mais de duzentos anos.

- É o primeiro volume ilustrado da série, e traz dezoito desenhos em preto e branco da própria autora, Giulia Moon, que ilustrou também a capa.

- O livro faz referência ao terremoto que devastou o norte do Japão em março de 2011, começando com a descrição de outro terremoto em 1782, no Japão feudal.

- Por decisão da autora e da editora, 2% dos lucros obtidos com a primeira tiragem de Kaori e o Samurai Sem Braço serão doados a entidades assistenciais para auxiliar as vítimas de catástrofes naturais, como os ocorridos no Japão em 2011.

Trecho:
“Com efeito, havia uma aranha azul entre os seus dedos. Ela abria e fechava as pernas de modo sinistro, tentando morder Kaori.
– Está ouvindo? – disse a garota. – Ela grita.
Kitarô abanou a cabeça, intrigado.
– Não ouço nada.
– Pois eu ouço. – Kaori ergueu o rosto, apurando os ouvidos. – E as companheiras estão respondendo. Há milhares delas por perto, posso distinguir de onde vem a maior concentração dos gritos. Talvez haja um ninho delas.
O samurai e a vampira entreolharam-se. Kitarô abriu passagem à garota.
– Primeiro você, bakemono.
Kaori começou a correr, o pano providencial sobre o corpo. Teve o cuidado de deslocar-se mais devagar para que o samurai pudesse acompanhá-la. As passadas vigorosas de Kitarô soavam atrás de si. Ele era forte e corajoso. Depois de muito tempo, podia correr sem se preocupar em olhar para trás. Percebia, agora, por que a kitsune escolhera este mortal como seu senhor. Apesar de todos os defeitos, Kitarô trazia dentro de si uma força extraordinária, luminosa, que enchia de esperança os que sofriam com a dor, o abandono e o medo.”

4 comentários:

  1. Verdade, Denise! Branca de Neve está arrasando por aí. haha :)
    Até agora eu gostei das novas versões. Enfim, achei o nome muito criativo e divertido.
    Faz tempo que eu quero ler os livros da Giulia Moon, me falaram tão bem que eu fiquei curiosa!
    Adorei o post!

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Branca de Neve Tem que Morrer e pareceu super instigante! Adoro essas novas versões dos clássicos contos de fadas!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, adorei esse Branca de neve tem que morrer, agora to louca pra ler kkkkkk

    ResponderExcluir
  4. De uns dois anos para cá essa coisa dos clássicos retornarem de maneira distorcida virou tendência. Começou em Hollywood, com a falta de criatividade para a criação de novos filmes, novas histórias, e agora nos livros. Acho que já deu.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.