Resenha: Just Listen

30/01/2012


Depois de ter sido pega com o namorado da melhor amiga numa festa, Annabel Green começa o ano letivo sozinha e sendo ignorada pelo resto da escola. Mas o que realmente aconteceu naquela noite ainda é segredo, que ela não se arrisca a contar para ninguém.

Os problemas de Annabel são explicitados pela recusa da família em admitir os próprios problemas, a fissura da mãe para que as filhas virem modelos famosas e Whitney, a irmã do meio, que sofre de anorexia. 

Uma amizade com Owen, o DJ da rádio comunitária, que tenta constantemente ampliar os gostos musicais de Annabel, fará a tímida jovem aprender a falar a verdade, doa em quem doer.


A princípio, Just Listen pode ser um livro que passa despercebido aos olhos. A capa não é atrativa e pela sinopse já dá para imaginar algumas coisas do enredo. Mas mesmo assim, é um livro que eu aconselho e muito, a ler. Ele foi o meu primeiro viajante, e na teoria eu deveria ficar com ele 15 dias, mas no 4 dia eu ja tinha terminado as 300 páginas sem perceber.

A narradora e protagonista da estória é a Annabel Green, a filha mais nova de 3 irmãs onde todas são modelos. Ela é descrita como gentil e de fácil convivência, o tipo de pessoa que evita problemas. A estória começa de uma forma meio vaga, sabemos que algo aconteceu em uma determinada noite e durante uma festa em um passado próximo de Annabel, mas isso não é contado logo de cara. A narrativa é feita em flashback e não tem um tempo cronologico bem definido, um capítulo pode começar no passado e termina no presente ou vice e versa.

Todos esses flashbacks são contruidos para fazer o leitor descobrir o segredo de Annabel e como ela irá solucionar isso no final. Nisso vamos conhecendo os outros personagens da estória, Shopie, a melhor amiga de Annabel e que tem uma personalidade cruel a maior parte do livro, Will, namorado de Shopie e diretamente ligado ao segredo de Annabel e depois tem Owen Armstrong o DJ da rádio comunitária, um cara estranho quem tem o papel mais importante na vida da protagonista.

Eu sempre acho ótimo, quando o autor, no caso autora, faz um personagem ser visto por todos como um bad boy, mas que no fundo vai ser ''Ô'' cara da estória. Isso mostra que as aparências nem sempre são verdadeiras, que por trás de um cara forte, meio marrento e todo de preto, pode ter um cara interessante e que pode mudar a sua vida pra melhor. É isso que acontece com o Owen e a Annabel, ele utiliza a música para abrir os horizontes dela e dizer ''nem tudo têm que ser julgado a primeira vista'' e isso muda a vida que a Annabel levava antes de conhecê-lo.

Eu me lembro da primeira impressão que tive dele - de que ele era perigoso, uma ameaça. Agora eu sabia que ele não era nada daquilo, pelo menos não do jeito que eu pensava. Mas havia algo em Owen Armstrong que dava medo: ele era sincero e esperava isso de todo mundo. E isso me deixava apavorada.

O livro é focado em aparências, em ter pré-conceitos sobre determinados assuntos, e com a familia de Annabel não poderia ser diferente. A familia dela vive de aparências, de fazer as pessoas de fora sempre acharem que tudo sempre está bem, quando sabemos que não está. E isso influência, e muito, na personalidade frágil e medrosa de Annabel. O pai que vive em uma casa com 4 mulheres e não sabe lidar muito bem com isso, a mãe que projeta nas filhas o sonho de ser modelo e quer a tudo custo que isso de certo, uma das filhas que tem problemas em ser sempre a melhor, a outra que possui disturbios alimentares e no meio disso tudo tem o prblema de Annabel. Ela fica completamente perdida sobre a quem recorrer, sendo que cada um tem seu próprio fantasma para enfrentar.

Não poderia terminar essa resenha sem falar da parte musicla do livro e que tem uma parte importante na estória. É através dela que Owen consegue despertar sentimentos e vontades em Annabel, além disso, o gosto musical dele é bem peculiar. Ele se autodefine como ''iluminado'' já que entende e sabe apreciar uma boa música. Só digo que fiquei curiosíssima sobre os artistas citados e tenho alguns anotados para pesquisar depois. Mas é muito engraçado ler ele explicando que uma torneira pingando, junto com alguns outros barulhos estranho é música de qualidade.

Eu estava começando a perceber que não se deveria ter medo apenas do desconhecido. As pessoas que mais conhecem você podem ser mais ameaçadoras, pois o que elas dizem e pensam a seu respeito pode não ser apenas assustador, mas também verdadeiro.

Uma curiosidade: o nome da Annabel aparece muito pouco no livro. Está certo que ela é quem narra a estória, mas mesmo assim, achei um pouco estranho. Se você você não ler a sinopse não vai saber o nome da protagonista até uma certa parte do livro. Já o do Owen aparece, e muito.

Just Listen - A Garota Que Esconde Um Segredo
Sarah Dessen
Farol - DCL

7 comentários:

  1. Uau, gostei muito, muito do livro. Você despertou uma curiosidade louca sobre o livro!! Vo por na minha lista, e dar prioridade, rsrs

    Beijos,
    http://naminhaestanteliivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Taí um livro que eu sempre esqueço quando vou procurar algo para ler.
    Ainda não o tenho, mas vou colocá-lo na lista!

    Já estou seguindo seu blog, quando tiver um tempinho, me faça uma visita :D
    www.amormisterioesangue.com

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Achei interessante; Ele me fez lembrar do filme o Silêncio de Melinda.
    *Bye*

    loucaporromances.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi gêmea!!

    Que resenhão!! kkkk. Entretanto, prefiro ler uma resenha grande e de ótima qualidade do que uma curtinha e de péeesssima qualidade!
    Amiga vc escreve bem pra caramba, deixa a gente com vontade de ler!!
    Já tinha ouvido falar desse livro, mas não tinha prestado mta atenção sabe? Mas com tua resenha, agora quero mto ler!!! E qro ver esssa parte musicada, ver como são lidadas essas questões de preconceito!!
    Livro anotado para leitura!!
    Bjs flor!!
    Daiane
    nouniversodaliteratura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Parece um livro diferente do que temos por aí. Por si só isso já é muito bom. Eu curto muito flashbacks, ordem cronológicas um pouco confusas que deixam a gente curioso sobre o que vem depois.Eu nunca tinha lido nada sobre esse livro, mas sua resenha me deixou curiosa para conhecê-lo. Entrou para minha listinha de livros para ler... :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Denise!
    Ultimamente ando com vontade de ler mais livro YA que não sejam sobrenaturais, e esse parece ser uma boa pedida. Li um outro livro da Sarah Dessen em inglês que amei, e quero ler mais livros dela.
    Ótima resenha ;)

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  7. Oi, Denise :)
    Já ouvi tanta gente falar bem desse livro!! A história parece ser super boa, e é diferente dos livros que eu tenho lido ultimamente, com tanta coisa sobrenatural me cercando. Parece ser daqueles que te deixam refletindo, mas sem ser nada tedioso! Quero ler logo :3
    Beijo, Larissa
    Another Words
    http://anothersimplewords.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.