Destaques

Receba as atualizações do site por email!

17/09/2018

Agora e para sempre, Lara Jean #3 || Jenny Han


E chegamos ao fim dessa trilogia maravilhosa, que eu adorei ler. Não me aguentei esperar mais e li assim que pus minhas mãos nele. O curioso é que esse foi o livro que mais amei da trilogia e o que a autora não esperava escrever, ela fez isso a pedido dos fãs. Obrigada vocês que pediram! Para mim ela guardou o melhor para o final. Agora e para sempre, Lara Jean vai falar do nosso casal favorito no último ano do ensino médio. Nos dois lidando com as escolhas de faculdades e a possibilidade de passarem esse período separados. Lá no primeiro livro a mãe de Lara Jean avisa: "Não vá para a faculdade namorando", mas a nossa protagonista não está ligando muito para isso e quer ficar junto de Peter.

Peter já tem bolsa de estudos para UVA, uma faculdade que fica perto da cidade em que os dois moram, e a Lara está doida para ir pra lá porque além de ficar com Peter ela também vai ficar perto de casa. Uma das coisas que a gente aprendeu sobre ela, é que a Lara gosta de ficar perto da família. Ela é uma menina caseira e que se no começo afirmar isso a incomodava um pouco, agora ela é mais tranquila em relação a isso. Não tem problema querer ficar perto de casa, cuidar da família, contanto que você não deixe sua vida de lado por isso. Tudo é equilíbrio e é atrás disso que a Lara Jean corre atrás. Mas claro que vai ter uma reviravolta e os planos dela meio que vão por água baixo. Agora é ter mais planos b para fazer com que tudo dê certo.
Mesmo depois de um ano inteiro juntos, tudo ainda parece tão novo. Amar um garoto, ser amada por ele. Parece um pouco como um milagre.

Esse livro foi o melhor para mim por justamente não acontecer do jeito que a Lara Jean esperava. A vida real não é assim. As coisas dão errado, você conserta da melhor forma que pode e segue em frente. Com essa narrativa vai ser assim, muita coisa não vai sair perfeita e a protagonista vai aprender a se virar com as situações. Isso também significa amadurecer e esse é o livro em que a Lara está mais madura, porque ela aprende na dor o que é ser adulto. Ter um problema e resolver, é isso. O relacionamento dela com o Peter amadurece, pois a possibilidade de uma separação abala os dois, faz com que eles se questionem se vale a pena manter um namoro a distância. Eles vão questionar os seus sentimentos também, se o que eles sentem é suficiente para isso.

16/09/2018

Livro de Mary Kubica será adaptado para os cinemas

O site Deadline divulgou que o livro A garota Perfeita, de Mary Kubica e publicado por aqui pela editora Planeta, será adaptado para os cinemas. Em entrevista, o presidente da produtora Anonymous Content., Paul Green, comentou:

“Depois de ler pela primeira vez, tivemos certeza que queríamos adaptar o thriller de Mary Kubica. O livro dela representa o tipo de narrativa poderosa que o Anonymous pretende produzir.”


Sinopse do livro:

Mia, uma professora de arte de 25 anos, é filha do proeminente juiz James Dennett de Chicago. Quando ela resolve passar a noite com o desconhecido Colin Thatcher, após levar mais um bolo do seu namorado, uma sucessão de fatos transformam completamente sua vida. 

Colin, o homem que conhece num bar, a sequestra e a confina numa isolada cabana, em meio a uma gelada fazenda em Minnesota. Mas, curiosamente, não manda nenhum pedido de resgate à família da garota. O obstinado detetive Gabe Hoffman é convocado para tocar as investigações sobre o paradeiro de Mia. Encontrá-la vira a sua obsessão e ele não mede esforços para isso. 

Quando a encontra, porém, a professora esté em choque e não consegue se lembrar de nada, nem como foi parar no seu gélido cativeiro, nem porque foi sequestrada ou mesmo quem foi o mandante. Conseguirá ela recobrar a memória e denunciar o verdadeiro vilão desta história?

Fonte.

14/09/2018

Herdeiro Caído || Erin Watt - The Royals #4


Herdeiro Caído vai começar a estória de Easton Royal, irmão de Reed e protagonista dos três primeiros junto com a Ella. Easton aparece nos livros anteriores, mas sempre em segundo plano, aquele cara que a gente quer conhecer mais só que não sabe muito o que esperar quando isso acontecer. Ele vai se envolver com a Hartley Wright, uma garota misteriosa que desperta o seu interesse por não querer nada com ele. Aquela velha máxima de que os homens se interessam por mulheres que não podem ter, que não caem na sua lábia logo de cara. A Hartley sabe que o Easton é problema e como ela já tem muitos, quer ficar o mais longe possível dele.

Só que o Easton é o tipo de cara insistente, que vence pelo cansaço, e começa a ter a confiança de Hartley mesmo ela o afastando. Nessa briga de ser ou não amigo, de sentir ou não atração, o Easton descobre o que a Hartley tanto esconde e provoca uma bela confusão. O Easton também é aquele tipo de cara impulso, que faz as coisas sem pensar e depois pede desculpas, mas nem sempre só isso resolve. Aqui não vai ser propriamente um livro de romance, com os dois juntos e tal, mas sim uma introdução aos personagens e aos problemas que Hartley traz na bagagem, problemas esses que causam um belo cliffhanger no final.
Hartley não vai dormir comigo. Ela sente atração por mim, eu sei que sente, mas não vai fazer nada. Ela tem uma coisa que todo mundo diz que eu devia aprender: autocontrole.

Aqui é o Easton quem narra e é engraçado como um personagem secundário pode dar uma impressão completamente errada pra gente. Nos livros anteriores víamos ele pelos olhos do irmão e da Ella, e ambos, muitas vezes, eram condescendentes com o que ele aprontava ou não viam muita coisa. O Easton tem TDH e problemas com álcool e jogos e não daquele estilo que dá para relevar, é sério e precisa de tratamento. No fim, foi um personagem que me despertou muita pena. Ele tenta compensar um monte de erro forçando a barra e acaba se desentendo com muita gente e ficando sozinho. O Easton é solitário e esconde isso nas brigas, se envolvendo com mulheres e bebendo. Os diálogos dele comentando isso são de deixar o coração apertado.

A Hartley seria mais ou menos a sua redenção, porque através do amor ela poderia ajudá-lo, guiá-lo para um caminho melhor, mas ela tem os seus próprios fantasmas para encarar. Ela era de uma família rica, mas foi expulsa de casa e agora vive por conta própria, morando num lugar horrível e trabalhando dia e noite para comer. Quando a gente descobre o que ela esconde, entende porque quer se manter afastada do Easton. Ela quer reaver a confiança dos pais para poder voltar para casa, mas isso implica em aceitar situações que vão contra seus princípios. Mesmo sendo um livro mais de introdução e menos de romance, dá para dizer que os dois combinam sim e já aguardo cenas deles juntos.

Herdeiro Caído tem uma dinâmica diferente dos anteriores, acho que por não ser um romance mais romântico e sensual acabou que ele foi mais triste, pelo menos eu senti isso. Conhecer o Easton, entrar na cabeça dele, me fez querer que ele tivesse um final feliz, porque a vida dele já é tão solitária. Quero também que as coisas deem certo para a Hartley e ela se entenda com a família, mas principalmente, quero saber o que vai acontecer depois desse final assustador. Não sei se serão três livros sobre os dois como antes, ou se só o próximo é deles, o fato é que terá continuação e eu queria ela para ontem!
O beijo é incrível. Quero me agarrar a ela, segurá-la perto de mim e fazer esse momento durar para sempre.
Herdeiro Caído - The Royals # 4
Erin Watt - Jen Frederick Elle Kennedy
Editora Essência: Facebook

Resenha dos primeiros livros da trilogia:
Princesa de Papel
Príncipe Partido 
Palácio de Mentiras

Adquira o livro no seguinte link e ajude o site:
Amazon

Planeta lança terceiro livro da série Guerreiras

Este mês a editora Planeta, com o selo Essência, lança o terceiro livro da série Guerreiras, da autora Megan Maxwell. São livros históricos.


O laird Kieran O’Hara e seus guerreiros são atacados enquanto passam a noite na fl oresta perto do castelo de Caerlaveroch, mas um misterioso bando de encapuzados, liderados por uma mulher que os aldeões chamam de “Fada”, consegue salvá-los. Angela é a mais nova das fi lhas do laird Kubrat Ferguson. Todos pensam que ela é uma menina fraca, chorona, medrosa e covarde. 

Quando Kieran a conhece, a atitude tímida da jovem, sua falta de jeito e seu senso de modéstia diante de seu cavalheirismo e bravura chamam sua atenção... sem saber que ela é a encapuzada que está procurando. Serão eles capazes de desmascarar os perigos que ameaçam Caerlaverock, enquanto negam seus sentimentos um pelo outro? Uma história vibrante, com personagens que farão você se apaixonar por suas aventuras nas Highlands escocesas. 

Outros lançamentos da editora


13/09/2018

O Predador

O Predador || Classificação: ★★★ (Bom) || Estreia em 13 de setembro de 2018
Texto: Alan David


Em uma missão corriqueira, Quinn McKenna (Boyd Holbrook) se depara com um Predador que acabou de chegar do espaço. O exército liderado por um agente perigoso, interpretado por Sterling K. Brown, não quer que essa história vaze e manda Quinn junto com outros ex-militares com problemas psicológicos para tirá-lo de circulação. Mas a chegada de outro Predador, somado ao equipamento de um deles que vai parar nas mãos do filho de Quinn (interpretador por Jacob Tremblay), vai dar origem a uma caçada envolvendo não só os monstros do espaço como também os homens do governo atrás da tecnologia alien. Com direção de Shane Black (Homem de Ferro 3), O Predador é a volta de uma grande franquia que fez sucesso nos anos 80 com Arnold Schwarzenegger, agora repaginada para os dias atuais e com bem mais sangue.

Primeiramente, os efeitos estão grandiosos. As cenas de sangue são bem fortes, quando começa a ação é pra valer. Já o roteiro fica meio indeciso no que seguir. A história começa bem aleatória já incluindo o protagonista contra o Predador, entregando o plot de como vai ser a caçada. Só que alguns elementos a mais acabam dando uma confundida. Primeiro a inclusão do filho de Quinn como sendo um gênio (impressionante como todo filme Jacob Tremblay só faz criança diferente) e forçando uma importância na conexão com os assassinos do espaço, e segundo como a trama parece dar mais importância a caçada do exercito aos mocinhos do que aos Predadores, que são meio que deixados de lado para depois, bruscamente, inclui-los como a ameaça real e imediata.


A ideia de mesclar humor e ação não surte efeito no começo. Só após a inclusão do grupo de desajustados que realmente o filme fica mais humorado e agradável. Você acaba se apegando a todos do grupo, pois o roteiro dá espaço para eles aparecerem, mesmo que pouco, e isso é o suficiente para você se importa com eles. Ainda temos a Olívia Munn, que sinceramente está ali por estar e em muitos momentos me lembrou a Megan Fox em Transformers fazendo caras e bocas e precisando ser salva toda hora. No caso de filmes de ação como esse, a parte de ser salva é apenas uma camada para os personagens caírem na porrada. Nisso funciona. E fechando a parte do elenco, o Sterling K. Brown foi um desperdício de talento, dava para ter uma jornada melhor.

Mesmo com esses problemas, o filme não é cansativo pois tudo prima para um ritmo frenético. Quando consegue encaixar o humor, o longa fica mais dinâmico e rápido. Em um momento, eles tentam dar uma gravidade ao motivo dos Predadores voltarem à Terra, mas nada que consigam explorar, pelo menos por enquanto já que tudo indica que terá continuação. Algumas coisas ficam no vácuo, mas entende-se a ousada proposta de incluir tantos personagens e trabalhar uma camada de cada vez. Uma melhor condução para explorar mais os caçadores traria uma sensação de ameaça real e imediata. Você se diverte ali, mas não vê grandes consequências. O Predador é um filme de ação com toques de humor, com tiradas boas e ruins, meio que a marca de Shane Black como visto em Homem de Ferro 3. Só que aqui é menos forçado.

últimas resenhas e críticas

© Seja Cult – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in