23/01/2017

Mentira Perfeita || Carina Rissi + Sorteio


Mentira perfeita é um spin off de Procura-se Um Marido que tem como protagonista Marcus, irmão de Max, e Júlia, funcionaria da L&L, uma das empresas de Alicia. Tudo começa com Júlia indo para o hospital encontrar sua tia Berenice, ou apenas Berê como é apelidada, pois a velha senhora sofre do coração e precisa urgentemente de um transplante. Quando encontra a tia tão mal, Júlia não sabe o que fazer e, então, seu amigo Denis acaba inventando que ela tem um noivo e, milagrosamente, isso faz com que a tia Berê tenha uma pequena melhora. Dessa forma, Júlia acaba não desmentindo Denis e, em pânico, não sabe como poderá sustentar essa mentira já que nem namorado ela tem.

 É aí que Marcus aparece. Após se conhecerem na casa de Alicia, quando Júlia é incumbida a levar um importante documento para que sua chefe assine, ela e Marcus não têm um primeiro contanto muito promissor, o que gera em Júlia uma natural antipatia por ele. No entanto, quando os dois acabam se encontrando sem querer em um bar e Júlia solta sua história sobre o noivado falso, Marcus vê aí uma oportunidade de ajudá-la e ajudar a si mesmo já que quer sair de casa, mas só poderá fazer isso sob a condição de contratar uma acompanhante. Depois de alguma insistência por parte de Marcus, ambos selam um acordo e ele finge ser o noivo dela, enquanto ela se propõe a fingir para os pais dele que ela é sua cuidadora. A partir daí começa um jogo perigoso em que os sentimentos de ambos acabam se tornando algo bem verdadeiro, apesar de toda farsa.

O livro é bem interessante, embora muitas coisas tenham me incomodado durante a leitura, por isso vou dividir essa resenha em pontos negativos e positivos a começar pelos negativos e vou precisar dar alguns spoilers, mas acho que nada que vá comprometer tanto a leitura. Geralmente, sempre quando eu pego um livro da Carina, acho os primeiros capítulos bem chatinhos, mas o desenvolver da história é sempre tão incrível que a leitura flui muito bem.

Júlia parecia tão perfeita que eu jamais teria imaginado que seria capaz de mentir. Passei parte da noite olhando para ela, observando, tentando montar aquele quebra-cabeça que era sua personalidade. Por fim, acho que entendi. Júlia é uma daquelas pessoas que colocam a felicidade de alguém na frente da própria.

22/01/2017

Pinterest hoje, Pinterest amanhã, Pinterest sempre!

Alguém aqui não conhece o Pinterest? Pergunto porque eu não conheço essa rede social a tanto tempo assim e nem sou uma expert no assunto. Para mim, o Pinterest é uma mistura de facebook com instagram e uma qualidade só dele: guardar as imagens em pastas. Ele ser parecido com o instagram é meio óbvio, já que essa rede social é alimentada por imagem. E a parte do facebook fica por conta do compartilhamento, que é salvar nas suas pastas e seus seguidores puderem ver e curtir. E sim, lá você consegue seguir e ser seguido.

A medida que você salva suas imagens, a rede social vai vendo as suas preferências e te indica outras fotos. Você consegue encontrar pessoas através das imagens e as pessoas conseguem te encontrar. O Pinterest caminha a passos bem vagarosos e ainda não é tão importante quanto as outras redes sociais, mas no caso literário, que muito nos interessa, algumas editoras já possuem perfis lá e cobram seguidores nessa rede social quase desconhecida.


Eu uso o Pinterest para mim e não como forma de divulgar o blog. A foto acima é do meu perfil e lá vocês vão encontrar coisas que eu adoro e nem comento por aqui, como culinária e artesanato. Claro que tenho pastas sobre livros, marcadores e Brontës, mas algumas pastas só têm coisa que me interessa. Lá é o lugar que eu vou para pegar inspiração e ver coisa fofa. Passo horas olhando e salvando imagens e é possível mexer nessa rede social pelo pc também, ao contrário do insta - o que facilitaria muito a nossa vida. A minha pelo menos.

Hoje vou comentar com vocês como eu uso o Pinterest para inspiração e vou deixar alguns prints das minhas pastas para vocês terem uma noção de como funciona. Tudo o que eu preciso eu encontro no Pinterest, então a primeira coisa que eu pesquisei quando entrei foram templates, que nada mais são do que layouts prontos para a plataforma Blogger. Já comentei um milhão de vezes que os lays do Seja Cult são frees e modificados por mim e amigos queridos que me ajudam.


Editora Valentina se aventura nos quadrinhos

A editora Valentina divulgou mais informações sobre a sua primeira HQ. A Garota do Cemitério foi escrita pela Charlaine Harris (True Blood) e Christopher Golden, e conta com as ilustrações de Don Kramer. Mais informações aqui.

A Garota do Cemitério - Os Impostores 
Charlaine Harris, Christopher Golden e ilustração de Don Kramer

A verdade vive... escondida num cemitério.


Ela adotou o nome Calexa Rose Dunhill, inspirada numa lápide do sombrio ambiente em que acordou, ferida e apavorada, sem qualquer lembrança de sua identidade, de quem a jogou lá para morrer ou mesmo do porquê. Fez do cemitério o seu lar, vivendo escondida numa cripta. Mas Calexa não pode se esconder dos mortos – e, quando descobre que possui a estranha capacidade de ver as almas se desprenderem de seus corpos... 

Então, certa noite, Calexa presencia um grupo de jovens praticando uma sinistra magia. Horrorizada, testemunha o ato insano que eles cometem. Quando o espírito da vítima abandona o corpo, ele entra em Calexa, atormentando sua mente com visões e lembranças que parecem não ser dela. Agora, Calexa deve tomar uma decisão: continuar escondida para se proteger – afinal, alguém acredita que ela está morta – ou sair das sombras para trazer justiça ao angustiado espírito que foi até ela em busca de ajuda? 

Sobre o autor:

Charlaine Harris, autora número 1 da lista de best-sellers do New York Times, publica romances nos gêneros mistério e fantasia há mais de trinta anos. A famosa série da HBO, True Blood, é baseada nos livros de Sookie Stackhouse. O sucesso de ambos fez dela uma das palestrantes mais requisitadas em convenções como a Comic-Con International, à qual foi convidada em 2010. Charlaine vive no sul dos EUA, onde sempre morou. Visite CharlaineHarris.com.

Christopher Golden é autor dos romances de Peter Octavian, best-sellers do New York Times, e da série juvenil de suspense Body of Evidence. Em colaboração com Mike Mignola, ele também escreveu dois romances ilustrados, incluindo Baltimore, or, The Steadfast Tin Soldier and the Vampire, que deu origem à série em quadrinhos Baltimore, finalista do Eisner Award. Golden nasceu e foi criado em Massachusetts, onde ainda vive com a família. Visite ChristopherGolden.com. 

20/01/2017

Novembro, 9 || Colleen Hoover


Quando eu li a sinopse de Novembro, 9 logo me veio a cabeça o livro Um dia. Acho que sempre que uma data for significativa em um livro eu vou lembrar da estória do David Nicholls. As semelhanças começam e terminam na data. O livro de Colleen Hoover nos apresenta os personagens Fallon e Ben, que se conhecem no dia que ela está de mudança para Nova York. Eles passam um dia maravilhoso e combinam que a cada 9 de novembro vão se reencontrar. Eles se bloqueiam nas redes sociais, não trocam telefones ou endereço, então a expectativa para o próximo dia 9 sempre está permeada com a possibilidade de um não aparecer.

No meio da expectiva dos dois se encontrarem existe um livro, o livro que Ben, escritor, vai escrever sobre o envolvimento dos dois. E no meio disso também, existe uma Fallon insegura sobre a sua carreira, que antes era de atriz, mas que por causa de um incêndio foi deixada de lado. Nesse acidente, uma parte do rosto e corpo dela foram queimados e vocês sabem, a indústria do entretenimento vive da beleza e ela sente que não faz mais parte desse mundo. Um acaba ajudando o outro a superar seus medos: Ben a finalmente crescer como escritor e Fallon a descobrir novas oportunidades dentro da carreira de atriz. Tudo muito lindo né? Mas Ben esconde algo que pode mudar o rumo desse conto de fadas.

O livro alterna as visões de Fallon e Ben do dia 9. A Fallon será a pessoa que mais narra e é a que tem a estória mais tocante. Aos 16 anos ela sofreu um acidente e teve uma parte do corpo queimada. Essa questão do incêndio é importante, porque determina a vida dos dois protagonistas. A Fallon não perdoa o pai por não se lembrar que ela estava em casa no momento do acidente, ele se esquece dela na verdade. Ressentimento, insegurança, falta de perspectiva e baixa autoestima são alguns dos sentimentos que marcam a Fallon.

Uma das coisas que sempre tento lembrar a mim mesma é que toso mundo tem cicatrizes. Muita gente tem umas ainda piores do que as minhas. A única diferença é que as minhas são visíveis e a da maioria das pessoas, não.

Encalhados de 2016

Sabe aqueles livros que a gente começa e vai deixando pra terminar depois e nunca termina? Então, gravei um vídeo com todos os livros que comecei e não li em 2016, os famosos encalhados.

A intenção é terminar esses livros em 2017. Tomara que eu consiga!!


*Livros citados*

1. O efeito Rosie - Graeme Simsion
2. Vinte garotos no verão - Sarah Ockler
3. Todos os nossos ontens - Cristin Terrill
4. Beleza cruel - Rosamund Hodge
5. Anjo mecânico - Cassandra Clare
6. Eu sou a lenda - Richard Matheson
7. Outlander - Diana Gabaldon

*Livros comprados nos links geram uma pequena comissão para o site.

18/01/2017

Pandemônio #2 || Lauren Oliver


Quem viu a resenha de Delírio, ou o vídeo em que comento sobre as melhores leituras do ano, sabe que eu amei o começo dessa trilogia. A minha expectativa para o segundo era alta, mas comedida, visto que a maioria das resenhas que já tinha lido falavam que o livro era aquém do primeiro. Realmente, esse segundo não é tão bom quando o primeiro, mas tem um final de deixar qualquer um morrendo pela continuação. Se você não leu Delírio, pode pegar spoiler do final nos comentários a seguir, pois Pandemônio começa logo depois que o primeiro acaba.

A narrativa do livro muda em relação ao tempo, com um antes e depois, mas ainda é a Lena quem narra. Os capítulos intitulados como antes é que são logo depois que acaba Delírio e trazem a Lena na Selva. Os intitulados agora, são com a Lena na cidade. Com a Lena na Selva nós vamos entender como os Inválidos  vivem sem a assistência do governo. Eles moram em cidades que foram destruídas e se viram como podem, sem água, luz, remédios, comida e itens básicos. A Lena da cidade está a serviço da revolta, que lendo o livro vamos entender o que isso significa. A narrativa, e a própria Lena, dão a entender que são duas personagens em uma e realmente é isso. A Lena da Selva está reaprendendo a viver, enquanto a da cidade já é uma personagem com uma visão diferente da de Delírio.

Um mundo sem amor também é um mundo sem riscos.


Eu terminei Pandemônio sem entender o propósito desse livro. A parte da Selva foi a que eu mais gostei e entendo ela fazer parte do segundo, já que o romance entre a Lena e o Alex envolve a Selva e os Inválidos, pessoas que não aceitam a cura do amor. A parte da Selva mostra como as pessoas que não acham que o amor é uma doença vivem, e é nela que a Lena aprende a ver o mundo sem a questão da cura. Ela entra em contato com homens pela primeira vez, vê mortes, vê dificuldades e com isso, o sentimento de revolta contra o governo cresce. É na Selva que ela aprende mais sobre a revolução que ela nem sabia que existia. Tudo isso que ela aprende, nós aprendemos também pelos olhos dela.

 
Seja Cult, 2011 - 2017 || Todos os direitos reservados || Design by Selistina e edição por Denise Simino